Postagens

Mostrando postagens de 2018

“UM MAR DE SANGUE FOI O RESULTADO”

Imagem
Texto da jornalista Lena Ohm Tradução de Clovis Horst Lindner
Na infância em Essen, Harold Lewin presencia a ascensão do Nacional-socialismo e do antissemitismo. Após a “Noite dos Cristais”, ele foge com a família para a Holanda e passa a integrar a resistência – até ser preso pelos nazistas e deportado para o campo de concentração de Buchenwald. Esta é a sua história.
Seu coração chega a doer dos batimentos contra o peito. Dói mais a cada passo. Cada lufada angustiada de ar queima o peito e as fisgadas laterais são quase insuportáveis. Mesmo assim, Harold Lewin continua correndo. Segue sempre em frente. Dobra à direita, dobra à esquerda, atravessa uma pequena ponte. Nada mais que continuar a correr. Seguir em frente pelos becos estreitos do bairro das putas de Amsterdã. Atrás de si, ouve os ferozes latidos dos cães pastores, que perseguem seus calcanhares. Os latidos dos cães e os passos rápidos dos homens são as únicas coisas que Lewin ouve. Abafa todos os outros ruídos– concentra-se t…

Haverá um novo 1968?

Imagem
Apenas meio século nos separa do ano mais explosivo da história recente. Promovido por jovens estudantes em sua maioria, 1968 foi um ano atípico, que desencadeou uma explosão em escala global. Muitos dos temas que ainda hoje causam tanta polêmica foram para a rua naquele ano, em festivais, encontros, canções, gritos de guerra e protestos, muitos deles sangrentos. A juventude de 1968 protestou contra a guerra do Vietnã e a guerra fria, o imperialismo norte-americano, a desigualdade e injustiça promovidas pelo capitalismo, a opressão das ditaduras comunistas (Leste Europeu) e militares (América Latina) e em defesa de uma democracia mais participativa. Os protestos clamavam contra o autoritarismo, a bomba atômica e as desigualdades sociais. Gritava a favor dos direitos humanos, das liberdades e dos direitos das minorias. Nem a igreja escapou da onda de choque, arejando a teologia, a liturgia, a estrutura, abrindo espaço para as comunidades de base, a celebração abrilhantada por bandas e…

Redomas ou ferramental?

Imagem
A dicotomia entre o que se deve ensinar na escola ou aprender em casa não é fruto de uma avaliação séria sobre como funciona a educação. Nada garante que o essencial ensinado por professores em sala de aula ou pela família em casa seja também seguido na vida das novas gerações. Aprende-se o bem em casa e o mal na rua, o bem na rua e o mal em casa. Todo o resto é idealização de um modelo familiar e escolar que não existe. Além disso, não são somente esses dois ambientes que formam o caráter dos nossos filhos. Se você acredita que só os pais e os professores influenciam seu filho, você não conhece o poder dos amigos, da rua, das mídias sociais. Há muito ruído na educação. Os sons que vêm de fora são muito mais poderosos do que o filtro que você tenta colocar para proteger seu filho. A educação não é como um banco, onde se deposita dinheiro e saca dinheiro quando precisa. Na educação você deposita o bem e colhe o mal ou vice-versa. Cada um e cada uma faz bom ou mau uso daquilo que lhe é…