Um debate com cheiro de pólvora


O debate em torno da questão das armas, nos últimos dias, atingiu níveis que só podem ser lamentados. O cheiro de cartuchos detonados já impregna o ar. O tema é sério, é preocupante, é digno de uma reflexão mais isenta e mais respeitosa. Entretanto, nem todos os debatedores aplicaram esta regra.

Entre os muitos argumentos de franco ataque à defesa da paz desarmada, faço questão de citar somente um, mormente por sua origem. É uma manifestação que veio de ninguém menos do que Bene Barbosa, o presidente do Movimento Viva Brasil – entidade que foi constituída em 2005 com o único propósito de vencer o referendo que queria o desarmamento da população civil.

Está óbvio que conseguiram o seu intento. Está óbvio que o resultado de 76,64% dos votos a favor das armas foi fruto do seu trabalho, amealhando votos de uma população desinformada e que sequer tem dinheiro para comprar uma arma. Mas não é este o problema.

Ao conquistarem o direito de ter armas através do referendo, eles imaginam que o respeito à sua vitória significa o total silêncio de quem defende a paz. Ao contrário do que Barbosa afirma, tão raivosamente, com argumentos absolutamente chulos e desrespeitosos, a vitória deles não significa que o assunto se esgotou. Muito menos, significa que devêssemos nos calar e não tocar no assunto. Se fosse assim, toda oposição seria ilegítima, uma vez que a maioria elegeu quem está no poder. Mas ainda não é este o problema.

O problema de Barbosa, que usa o argumento do "respeito é bom", bem no estilo "ou cale-se ou eu atiro", transformou a palavra "babaca" – que sequer consta no Aurélio –, segundo sua brilhante dedução etimológica, em "órgão genital feminino". Para ser claro, na sua cabeça babaca é vagina.

Embora de um nível desprezível, a sua argumentação fortalece o que eu quis dizer. Por defender a paz, eu me sinto como um "babaca", como uma vagina estuprada pelos trogloditas da guerra. Aliás, foi um deles que usou exatamente esta palavra para desfazer os que defendem a paz. Os trogloditas da guerra se defendem, como Barbosa, com argumentos baixos do tipo: dizer que todo dono de arma a possui para usar, "é o mesmo que dizer que todo homem é um estuprador uma vez que possui instrumento para execução deste tipo de crime".
É assim que funciona a mente de quem usa e defende armas. Sinceramente, me nego a descer ainda mais baixo na argumentação. Além de defender a paz desarmada, me alinho com todos os que praticam a não-violência.
A propósito, o texto que foi tão vilmente atacado por Barbosa, está aqui, no Blog, postado no dia 12 de novembro. Ele foi publicado no dia 25 de novembro no Jornal de Santa Catarina, com algumas alterações.

Comentários

  1. Um texto que nos acorda, que não nos permite sono tranquilo, que nos chama a ficarmos com olhos e ouvidos abertos, que nos desafia a interferirmos com palavras, atitudes, postura cristã. Continue companheiro, sempre embarcado neste barco de Teologia Inquieta... Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado, Clovis!
    Sim, somos “babacas” e, “caretas”. Quantos adjetivos mais surgirão para designar os que são “fracos”? Lembro com carinho de uma poesia do Lindolfo Weingärtner:

    Mãos dobradas têm mais poder,
    mais vigor do que punhos cerrados.
    Mãos erguidas em oração
    são sinais de poder levantados.

    Quem perdoa tem mais poder, mais firmeza do que quem odeia. Todo aquele que agir em amor colherá o que planta e semeia.

    O que serve tem mais poder, mais certeza do que quem domina. Quem o fardo do irmão carregar, para a glória o Senhor o destina.

    O poder não pertence a nós. Só de Deus é o reino e a glória: Seu Espírito dá-nos vigor, o seu braço nos leva à vitória.

    Renato Creutzberg (por e-mail)

    ResponderExcluir
  3. Peço permissão de comentar, não são as armas nas mãos do cidadão de bem que mata e sim as maldades do homem.
    Um carro mata, uma caneta mata, um ódio mata, um avião mata, o pensamento maldoso mata, armas não faltam para matar. Portanto arma na mão do bandido Mata.
    Referendo reforça o direito do cidadão de bem ter sua arma registrada, é direito e dever do estado democrático a propriedade da arma de fogo registrada.

    Meus respeitos ,
    Pierre F. Cantoud

    ResponderExcluir
  4. Pastor, existe no dicionário Michaelis... E quer dizer sim, vagina...

    Pelo menos você conseguiu um recorde de três ou quatro comentários no seu desconhecido blog...

    ResponderExcluir
  5. a propósito, o Jornal fez-lhe um favor em não publicar a íntegra do artigo do Prof. Bene Barbosa que se encontra no site www.mvb.org.br

    ResponderExcluir
  6. Procure no Aurélio a palavra "tabaca" e veja o significado. É dela que deriva a palavra babaca...

    ResponderExcluir
  7. Como falar em paz defendendo um assassino como Fidel Castro? Ou defendendo os baderneiros do MST? Ou ainda frertando com um regime que matou mais de 100 milhões no mundo (o comunismo)?

    Pensando bem fica tem tudo a ver uma vez que todo regime ditatorial, como o cubano e o de Chavez, desarmaram a população.

    ResponderExcluir
  8. Sou cristão e gosto de armas, ensinei minhas filhas a atirar e nem por isso alguém me considera um homicida em potencial, ao contrário, me chamam para ser padrinho de casamento, de batizado, me convidam para festas religiosas e para ajudar pessoas desconhecidas e necessitadas. O que há de errado em minha postura?

    ResponderExcluir
  9. É irmao aposto que voce tem segurancas, ou recebe um $$$ das ong´s de drogados e direitos dos manos, va na cadeia e leve-os pra sua casa. Arma e direito a defesa, ja q o estado nao cumpre com a seguranca. A pessoa má nao precisa de arma para matar, ou voce nao lembra de abel e caim ?

    ResponderExcluir
  10. Pastor, o senhor parece estar acostumado a dirigir seus discursos a pessoas menos informadas. O ambiente virtual não é um bom lugar para esse tipo de argumento. Aliás, faltam argumentos e sobram ataques em seus textos, artifício típico de quem não sabe o que diz ou sabe que está errado.
    Uma breve pesquisa na internet economisaria o senhor de se expor tanto, mostrar que não sabe o que diz (me refiro ao significado da palavra "babaca").
    No tocante às armas e suas utilizações, não tenho nada a acrecentar ao texto do Prof. Bene Barbosa. Tenho as minhas, acho que todos os que tem capacidade técnica e psicológica para tal, deveriam pensar seriamente em possuí-las e, caso necessitem, utilisá-las para defenderem a si e os seus. Quase 80% dos brasileiros optaram por ter, pelo menos, o direito de se defender com armas de fogo. Não precisa "parar de lutar", mas precisa aparecer com argumentos válidos, o que duvido que o senhor encontre, já que muitos tentaram, de todas as formas.

    Antenor Ivan Follador

    ResponderExcluir
  11. Duvido muito que a maioria destes 76% da população, que foram contra o referendo, conheçam o Sr. Bene Barbosa ou ao seu trabalho. A população votou no que achou correto. Ou o Sr. diria que Lula esta no governo porque o povo foi manipulado?

    Além do mais, os estados que votaram em massa no não foram da região sul, sabidamente de maior poder aquisitivo e melhor informada.

    Paz é uma questão de espírito, uma forma de ver e viver a vida. Não tem nada a ver com armas, que nada mais são do que ferramentas.
    Se assim o fosse, as tropas de paz da ONU não utilizariam armas!

    ResponderExcluir
  12. Pastor

    Caso seja de Friedrich Nietzsche que o senhor está falando gostaria de lembrar o posicionamento deste filósofo sobre o cristianismo. Ele considerava a ética cristã era uma moral de gente fraca, de escravos... Afirmou e ESCREVEU que o cristianismo era uma doença malígna!

    Assim, fica claro, ou o senhor mais uma vez mostra ser um ignorante e nem mesmo conhece livros como "O Anticristo" ou " A Genealogia da Moral" ou é um verdadeiro lobo vestido em pele de cordeiro.

    Pastor Jorge Medeiros

    ResponderExcluir
  13. Isenção e respeito é o que não me parece ser a postura do pessoal que vem reagindo aos meus pensamentos neste blog. Há é muita agressão e preconceito... Pena. Um debate de nível poderia ajudar muito.
    Quanto a Nietsche, ele tinha razão na frase que está no final do meu blog.
    Lembro ao colega pastor Medeiros que Nietsche era filho de pastor. Foi a educação cheia de clichês e fundamentalismos que o transformou no filósofo que foi. E ele também tem razão quando afirma que há muito de hipocrisia na ética defendida pelos cristãos e muita falsa moral. Quando se levanta a tampa, sai muita podridão dos sepulcros caiados que andam por aí travestidos de discípulos de Jesus.

    ResponderExcluir
  14. Era filho, neto e o seria também se não tivesse abandonado a religiosidade por toda a sua vida. escrevia entre surtos de loucura provavelmente causada pela sífilis e o uso de drogas. Morreu louco e pregou até o seu final decadente a anti-religião e o relativismo da moral.

    Relativismo esse que até hoje nos assombra e corrompe. Onde vemos alguém que diz pregar a não-violência ser conivente com o regime ditador cubano ou de Hugo Chavez.

    O demônio possui muitas faces. Se acredita tanto assim na frase feita, no chavão de rodapé, devia então imediatamente se afastar de tais grupos, entre eles da p´ropria igreja luterana, afinal a loucura seria a regra.

    Nitzsche sorriria.

    ResponderExcluir
  15. Vc deve ser um daqueles pastores q após receber propina ainda tem coragem de orar...se encherga vai deixa q é a favor da legitima defesa em paz!!!

    ResponderExcluir
  16. Passa pela cabeça de qualquer pessoa antes de ser assassinado ou ver um ente querido molestado por um vagabundo o seguinte pensamento: "como eu gostaria de ter uma arma em minhas mãos agora...".
    Com todo respeito pastor, que DEUS proteja ao senhor e sua família, e em caso de emergência reze muito para a polícia chegar a tempo.

    ResponderExcluir
  17. Pastor Clovis Lindner porque você foge do debate neste assunto???

    Isso levanta duas hipóteses:

    Ou não tem argumentos(racionais e fundamentados) e evita a discussão de determinado ponto-de-vista.

    Ou a hipótese mais assustadora, não aceita o debate. Não aceita nenhum debate sobre algo que não concorde.

    ResponderExcluir
  18. Pastor,
    se voce apoia o desermamento do cidadao de bem,acho tambem que voce deve apoiar o que hitler fez,pois foi desarmando a populacao que ele teve como matar 6 milhoes de judeus,apenas 180 mil conseguiram escapar,e se eles estivessem armados talvez 2 milhoes tivessem se salvado.

    è essa a ideia que o senhor tem em mente?desarmar o cidadao direito naum vai acabar com a violencia,ao contrario,vai aumenta-la,pois assim os bandidos ainda com suas armas teram a certeza de que naquela casa de familia ele nao irà ter que encarar o cano da arma de um chefe de familia honesto defendendo a ele e a sua familia.

    "Si vis Pacem para Bellum"

    NO MORE!

    ResponderExcluir
  19. Pastor, compareci a alguns cultos ministrados pelo senhor. Apreciava a retórica e os exemplos. Respeitava-o e o admirava.

    Porém, após essa manifestação de incitação ao comportamento bovino, lamentavelmente concluí que não só admiração que tinha pelo senhor caiu por terra, mas também o respeito que tinha pelo senhor deixou de existir.

    Lamentável vossa falta de conhecimento da natureza humana e arrogante manifestação de pseudocultura. Triste, deprimente e frustrante.

    ResponderExcluir
  20. Caro pastor seu discurso é lastimável?? O que já matou mais na historia da humanidade e ainda mata nos dias atuais do que a própria religião???? Então pela sua teoria teríamos que acabar com todas as religiões!!!

    Poderia fica aqui escrevendo por horas, mas uma pessoa que defende ditadores que "MATAM" não mostra ter intelecto suficiente para uma discussão mais profunda...


    Paulo César

    ResponderExcluir
  21. Prezados lfschmitz, ivan.relppa, Antenor...
    Prezados MUITOS anônimos (como é fácil "debater" no anonimato!),

    Vocês acham que eu deveria "debater"? O assunto há muito perdeu o seu foco. Leiam os comentários. O tema nem mesmo está aparecendo. Tudo foi transformado num linchamento eletrônico. Preconceito, ataques pessoais e até ofensas; um imenso rolo de adesivos com rótulos passou por aqui. Não me conhecem, não sabem o que eu penso ou quem eu defendo, mas se julgam no direito de me qualificar de comunista, niilista, até nazista (pelo amor de Deus!), de lobo em pele de cordeiro... Os rótulos vão da extrema-direita à extrema-esquerda com a facilidade de quem manobra um skate. Aparece de tudo. Sou ignorante, arrogante, desinformado e culturalmente pobre, além de muito ingênuo para um debate na internet, com o meu discurso lastimável.

    Vocês querem um pastor guru, um mestre da auto-ajuda, que acaricie suas almas, que não seja o profeta que se espera de um arauto do Evangelho. Não se deve tocar em temas melindrosos. lfschmitz, você tem razão! Como é bom ir à igreja e ouvir um exemplo bonito, uma palavra que confirme o que somos, o que pensamos, o que fazemos... Desculpe decepcioná-lo, mas o Evangelho do Nosso Senhor Jesus Cristo não nos confirma em nossos pensamentos e ações.

    Me recuso a debater a minha pessoa, pelo menos nesses termos. Encerro este debate com um pensamento de Jesus:
    "Deixo-vos a paz, minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração nem se atemorize." (João 14.27)

    ResponderExcluir
  22. Pastor, só queremos alguém que debata idéias, que use argumentos. Tenho certeza que o senhor já percebeu que está errado no seu combate preconceituoso às armas de fogo. Seus argumentos caíram e, se virem novos, cairão diante dos nossos.
    Gostei que o senhor agora cita Jesus Cristo, muito melhor para um pastor. Além de ser Ele, um exemplo bem melhor a todos nós. Ele que disse: "Mas agora, aquele que tiver bolsa, tome-a, como também o alforje; e, o que não tem espada, venda sua capa e compre-a."
    Até concordo com sua atitude de não discutir "sua pessoa", mas o tema principal do debate foi o senhor quem propôs, não pode, diante da falta de argumentos, fugir. Se continua com a mesma opinião, argumente, se mudou, assuma.

    Grande abraço!

    Antenor Ivan Follador

    PS: Vou aproveitar para pedir desculpas pelos erros gramaticais em minha postagem anterior.

    ResponderExcluir
  23. E eles disseram: "Senhor, eis aqui duas espadas". E ele lhes disse: "Basta!" (Lucas 22.38). Esta foi a resposta de Jesus, depois de lhe terem apresentado DUAS espadas após esta frase que vocês citam para usar Jesus em defesa das armas. Aliás, depois um dos discípulos cortou a orelha direita do filho do sumo-sacerdote. E o que Jesus fez? Colocou a orelha dele de volta, pondo um espetacular fim à violência contra alguém que nada mais queria do que ver Jesus morto.
    Ler a Bíblia deste jeito fundamentalista e descontextualizado não é uma boa maneira de embasar os seus argumentos em favor das armas.
    Então Jesus disse-lhe: "Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão." Mateus 26.47

    ResponderExcluir
  24. Antenor Ivan Follador11 de dezembro de 2009 03:11

    Quem sou eu para discutir a Bíblia com o senhor, mas, para cortar a orelha do filho do sumo sacerdote, Pedro estava com a espada, ao lado e do lado de Jesus, não estava?
    Ele não é contrário ao porte ou uso delas, não para qualquer situação, mas não é avesso às armas. Pelo menos, é o que me parece, como leigo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”