A humanidade vive a Era do Lixo




Com o descarte de 30 bilhões de toneladas de resíduo por ano, o lixo assumiu o contorno de uma calamidade civilizatória. O Brasil aparece no rol de um dos grandes geradores mundiais de lixo, aponta o consultor ambiental Maurício Waldman. Em entrevista ao Instituto Humanitas, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Waldman lembrou o geógrafo francês Jean Gottman, que definiu o atual período de Era do Lixo. “Essa é a primeira vez na história que os resíduos passaram a ocupar um nexo central nas preocupações humanas”, diz Waldman.

Os três segmentos que mais produzem descartes, responsáveis por cerca de 91% da geração do lixo do planeta, são a pecuária, a mineração e a agricultura. Os rejeitos residenciais respondem por apenas 2,5% do total, mas é processualmente o mais importante de todos. “Isso porque tudo ou quase tudo que se produz no mundo acaba descartado no saquinho que colocamos na calçada ou na lixeira do prédio”, explica Waldman.

A professora Annie Leonard, da Universidade de Carnell, nos EUA, destaca que para cada saquinho de lixo colocado na calçada existem outros 60 sacos de lixo descartados no processo de produção. O problema deixa de ser apenas econômico, mas é um assunto “pavimentado por injunções sociais, políticas e culturais”, assinala Waldman.

De 1991 a 2000, a população brasileira cresceu 15,6%. No mesmo período, o descarte de lixo aumentou 49%. Em 2009, o Brasil teve um crescimento populacional de 1% e a produção de lixo, no mesmo tempo, aumentou 6%.

A metrópole de São Paulo é o terceiro pólo gerador de lixo entre as capitais mundiais, perdendo apenas para Nova Iorque e Tóquio. No entanto, a paulicéia é a 11ª ou 12ª economia metropolitana do planeta, o que significa que paulistas geram muito mais lixo do que seria admissível. Em termos de Brasil, o país abriga 3,06% da população mundial e gera 3,5% do Produto Interno Bruto global, mas gera, segundo estimativas, 5,5% do total mundial dos resíduos sólidos urbanos.

Como é impossível existir uma sociedade sem resíduos, o problema do lixo pode, contudo, “ser mitigado com o concurso de procedimentos inteligentes e práticas ambientalmente corretas”, aponta o consultor ambiental e professor universitário. Ele defende a adoção, urgente, dos 4 R’s e nesta ordem: repensar, reduzir, reutilizar e reciclar. “Em tempo”, alerta Waldman, “precisamos acima de tudo repensar o conjunto da sociedade contemporânea”.

Fonte: ALC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”