A paz é a nossa grande farsa




Presidentes do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, da Comissão Europeia, Jose Manuel Barroso, e do Parlamento Europeu, Martin Schulz, seguram diploma do Nobel.

Nesta segunda-feira, 10 de dezembro, a União Europeia foi agraciada solenemente com o Prêmio Nobel da Paz, em Oslo, na Noruega. Para as lideranças mundiais, um prêmio justo para uma instituição que derrubou todas as fronteiras e construiu uma Europa unida em 60 anos, da qual participam 27 países. Por mais de meio século, 500 milhões de europeus vivem de esquecer as duas guerras que arrasaram o continente. Para eles, o parlamento em Bruxelas contribuiu decisivamente para esta paz.

Mas os críticos são muitos. Entre eles estão os que veem crescer o interesse da UE em se meter em conflitos com os quais nada tem a ver diretamente. Entre os críticos também estão os que veem uma hipocrisia nessa premiação. O Nobel da Paz já laureou gente como Martin Luther King, Desmod Tutu ou Adolfo Perez Esquivel. Mas também lembrou de Henry Kissinger e Barak Obama, dois notórios homens da maior nação que promovem as guerras.

A grande verdade é que o Nobel é uma instituição em franca decadência e voltada a muita pompa. Não há muito o que comemorar, nem mesmo na UE, onde recrudesce a xenofobia e o extremismo de direita.

Nesse sentido, talvez, a premiação em Oslo seja mais uma advertência do que uma premiação. Há muito medo de que a Europa perca o que conquistou em 60 anos, por conta dessa crise econômica, que está trazendo à tona o amálgama perfeito para fazer florescer o extremismo que jogou a Alemanha no capítulo mais brutal de sua história, com o Nazismo. A Grécia flerta abertamente com pensamentos excludentes, extremistas e xenófobos. Até mesmo na Alemanha tem cada vez mais gente escrevendo, dizendo ou só pensando o que ainda não ousa dizer, mas está acontecendo de novo.

Este Nobel da Paz para a UE é uma chamada: “Não percam o que construíram com tanto sofrimento!” O risco, de fato, está cada vez mais presente...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”