Postagens

Santa Fumaça

Imagem
Faz trinta anos e oito meses que larguei o tabaco e me sinto muito bem, graças a Deus. Mas, nem por isso estou na turba crescente dos evangélicos que condenam o fumo como um pecado que impede as pessoas de entrar no céu. Quando fui estudar Teologia no Morro do Espelho, eu fumava escondido dos meus pais, embora meu pai tenha sido fumante boa parte da sua vida. Eu fazia bicos para comprar cigarros paraguaios de qualidade duvidosa. Quase ninguém considerava isso um pecado entre os futuros pastores e os grandes teólogos que nos davam formação. As reuniões do Corpo Docente da nossa querida Faculdade de Teologia podiam ser cortadas com uma faca. A nuvem de fumaça dentro da sala era tão densa que depois de meia hora de reunião se sabia quem estava falando somente pela voz, mas não porque alguém visse quem estava fazendo uso da palavra. Naqueles turbulentos anos 70 todo mundo fumava em sala de aula. Adorávamos um convite para o aniversário de algum docente, porque os estudantes eram recebido…

Uma história para o Dia da Mulher

Imagem
Para o Dia Internacional da Mulher eu vou contar-lhes uma história. Certa vez, havia um homem, que já era casado, encantou-se por uma mulher estrangeira, e resolveu torná-la sua concubina. Julgando-se dono dela, mesmo contra as regras do casamento, ele não a tratou como se deve tratar uma mulher, e ela voltou para a sua terra, casa do seu pai. Quatro meses depois, arrependido, ele foi atrás dela, para tentar convencê-la a voltar para aquela relação de concubinato. Na viagem, levou consigo um escravo e dois jumentos. Ao chegar lá, entretanto, apenas falou com o pai dela, que deu comida, bebida, muita conversa e atenção ao homem, ao seu escravo e até aos dois jumentos. Por insistência do pai da moça, ele ficou ali muitos dias, e certamente também aproveitou o leito da moça, cuja opinião não importava. A ela, nada perguntou ou sequer trocou uma palavra com ela. Depois de uma semana de farra e comilança com o pai dela, pegou a moça e a levou para sua casa. No caminho, viagem de dia intei…

A bicicleta completa dois séculos

Imagem
Hoje, este genial meio de transporte é considerado a solução para nosso caos no trânsito e é um símbolo da mobilidade amiga da natureza. Mas foi a necessidade e a própria natureza que deram impulso à ideia da bicicleta. Ela foi inventada há 200 anos como “máquina de andar” (Draisine), por um alemão de nome Karl-Friedrich Drais. Dificuldades econômicas e o clima fizeram diminuir o alimento para os cavalos, a principal força propulsora do transporte no século 19. Em 1812 houve uma brutal quebra na safra de aveia e, enquanto os pobres não tinham como alimentar os “motores” de suas carroças, a nobreza ficava com o que era possível para os belos animais de suas carruagens. Mas isso não foi tudo. Em 1816 a catastrófica erupção do vulcão Tambora, na Indonésia, lançou tantas cinzas na atmosfera terrestre que o sol sumiu também na Europa, dando início a uma pequena era glacial de consequências épicas para a agricultura, a saúde e até a política. A escassez de alimentos levou à Queda da Bastil…

CHARIS (χαρις)

Imagem
O termo grego χαρις aparece 158 vezes nos livros do Novo Testamento. É um verbete central do Evangelho, com destaque para a Teologia do Apóstolo Paulo, e tem significado inalienável para o luteranismo. χαρις é "graça". Segundo Lutero, nossa redenção é pura χαρις (graça) de Deus. Por esse caminho etimológico (etimologia é a ciência que estuda a origem das palavras), χαρις é algo que nos é dado sem que nada seja cobrado em troca. Assim a χαρις (graça) que produz a nossa salvação não se encaixa em nenhuma matemática. Não existe calculadora em condições de calcular a χαρις de Deus consumada em Cristo. χαρις deu origem a termos conhecidos da nossa língua portuguesa, como CARIdade e CARIsma. O termo grego χαρις tornou-se "gratia" no latim, o que contribui para que nem sempre percebamos a etimologia das palavras a que χαρις deu origem. "CARIdade" é algo que você faz por doação, "por" graça e "de" graça, sem colocar na ata da sua vida como al…

Muros na prancheta

Imagem
No dia 9 de novembro de 1989, uma avalanche de gente derrubou o muro mais emblemático da história da humanidade. Muitos outros haviam sido erguidos e derrubados até então, como a muralha de Jericó (derrubada por trombetas), o muro de Jerusalém (destruído), a muralha da China (virou atração turística)... Mas nenhum foi simbolicamente tão global e impactante quanto o muro de Berlim. Ele inverteu a simbologia dos muros, já que no passado eles serviram para proteger as cidades. O muro de Berlim sitiou uma cidade inteira durante décadas, dentro do território inimigo. Intermináveis negociações e muita ousadia diplomática levaram à sua queda há 27 anos passados. Hoje, 27 anos depois, a eleição de Donald Trump como 45º presidente dos Estados Unidos da América eleva ao posto mais alto da humanidade um construtor de muros. De onde vem esta força maligna que legitima o discurso dos construtores de muros tantos anos depois? E justo do lado dos que contam entre suas maiores conquistas a vitória n…
Imagem
Jörg Zink morre aos 93 anos Sei que, mais uma vez, escrevo um texto longo, que poucos irão ler. Mas não tem como ser diferente. Entre formador de opinião e um homem de Deus de múltiplos dons e capacidades, que falou dos grandes temas da fé para a atualidade, Jörg Zink é dos grandes da Cristandade. Saiba porque, abaixo. Jörg Zink está entre os grandes escritores do século 20. Suas obras espalharam-se por todo o mundo, em dezenas de traduções. Destaque foi a sua tradução particular do Novo Testamento e de seleções do Antigo Testamento, que levou o texto bíblico de forma nova e pessoal a milhões de pessoas. Sua extensa obra literária reúne mais de 200 livros, com uma tiragem total de 20 milhões de exemplares. Filósofo, teólogo, pastor e relações públicas, Zink foi jornalista, escritor, produtor e apresentador de TV, e formador de opinião sobre temas atuais. Ele nasceu na Alemanha em 1922 e foi um dos principais articuladores da paz mundial e pioneiro do debate ecológico. Seu nome está i…

Blumenau Farroupilha

Imagem
A construção da Estrada de Ferro Santa Catarina trouxe os primeiros "forasteiros" a Blumenau. Vieram para cavar o leito da EFSC, deitar os dormentes e prender os trilhos sobre eles. A construção da bela ponte de ferro, no centro da cidade, também fez surgir a primeira favela de Blumenau. Na cabeceira da ponte em obras, surgiu um agrupamento de casebres em terra invadida, pejorativamente denominado de “Farroupilha”. Com a estrada e a ponte prontas, foram ficando e faziam os piores serviços na “cidade jardim”. Aos domingos, eram uma animada torcida do Palmeiras, clube de futebol dos moradores da "Palmenstrasse", a rua das palmeiras plantadas pelo Dr. Blumenau. Mas aquela mancha desordenada de barracos de pau a pique e ruas feitas com pás e picaretas em barrancos íngremes incomodava. O dono do terreno já havia entrado na justiça diversas vezes para tentar sua remoção. O centenário da orgulhosa cidade se aproximava, e a Farroupilha não podia permanecer ali para os fes…