A república, a democracia e o voto

Foto histórica da campanha pelas Diretas, em 1984. A luta desses políticos foi a porta de entrada para o retorno do direito do voto no Brasil, no dia 15 de novembro de 1989.


No dia 15 de novembro, o Brasil teve duplo motivo de comemoração. O primeiro deles é o dos 120 anos da Proclamação da República, embora nessas 12 décadas que se passaram ainda não conseguimos acabar com os principais males que motivaram o fim do Império e o início de um novo tempo na maneira de governar o Brasil. Como nos tempos do Império, velhas oligarquias continuam manejando as marionetes. Ainda é assim que grande parte do poder está nas mãos dos grandes proprietários de terras e dos que compram o poder com o seu dinheiro - muitas vezes amealhado justamente pelas facilidades que a proximidade com o poder dá.

Entretanto, a República trouxe a participação popular para perto do poder, mesmo que em 1889 ainda valesse a regra de que era necessário ter posses e ser homem para votar. Os ex-escravos, os meeiros, os operários, o homem trabalhador do campo e as mulheres não tinham espaço entre os cidadãos.

Hoje tudo isso é superado. Na lei, diga-se. Mas a exclusão da cidadania por pobreza ou gênero é passado no Brasil. E isso é digno de comemoração. Difícil é fazer com que o nosso povo entenda o tamanho do poder que tem nas mãos. Para muitos, o voto é uma obrigação chata, que a gente cumpre justamente porque é uma obrigação. Antes de facultar livre decisão sobre o exercício do direito do voto, entretanto, é preciso educar para que se perceba o poder imenso que a oportunidade do voto coloca nas nossas mãos.

Para dizer o mínimo, podemos falar mal de Brasília o quanto quisermos, podemos detonar o congresso com todas as forças ou atacar o senado com nosso protesto veemente, mas tudo isso que está aí foi escolhido por nós. O nosso voto tem este poder. E também pode mudar tudo. Basta querer. Basta fiscalizar.

É uma grande bobagem dizer que o meu voto é apenas um voto. Somado aos votos dos outros, ele tem poder. A soma dos nossos votos muda tudo. Portanto, se quisermos realmente, vamos melhorar o Brasil.

Ah, já ia esquecendo o outro motivo de comemoração. No dia 15 de novembro de 1989 elegíamos o primeiro presidente do Brasil pelo voto direto, depois de 30 anos sem exercer este direito. Muitos fizeram isso pela primeira vez naquele dia, ao menos todos os brasileiros que tinham menos de 45 anos. E, sem dúvida, este é o melhor caminho. Mesmo que depois das eleições haja muitos que querem estragar esta festa da democracia, o voto é o melhor instrumento que temos. Que mantenhamos o nosso sagrado direito de opinar e que o voto seja a manifestação básica da cidadania entre nós por muito tempo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”