David Bowie e Christiane F.

Vai-se mais um dos grandes do rock britânico. Bowie lançou seu mais novo trabalho musical no dia em que completou 69 anos, em 8 de janeiro. Dois dias depois (domingo 10), o camaleão do rock foi vencido pelo câncer, numa luta que travou por um ano e meio contra a doença.
Para mim, que usei diversas vezes o filme "Eu, Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída..." em sala de aula para falar sobre drogas, inclusão e aceitação, com posterior debate em forma de juri, ele jamais vai sair da memória.
Bowie faz uma ponta no filme, com um show em Berlim, durante o qual Christiane e seus amigos da rua Kurfürstendamm se drogam. Christiane é fissurada em Bowie. Chama a atenção uma cena do filme, em que ela ganha um LP de Bowie de presente do namorado de sua mãe e, em seguida, o guarda entre seus discos, ao lado de outro LP dele, por acaso o mesmo, que ela já tinha.
Durante o show no filme, o artista multi-performático canta sua emblemática canção "It's too late" (It's not the side-effects of the cocaine. I'm thinking that it must be love. It's too late - to be grateful. It's too late - to be late again. It's too late - to be hateful). Para a adolescente Christiane e sua turma era, de fato, muito tarde (too late). Até hoje Christiane (ainda viva e uma senhora de 60 anos), continua enfrentando o monstro da droga. Seu ídolo morreu antes dela vencido por um outro monstro: o câncer.
Conheça o artista e sua impressionante obra, no artigo anexo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”