A bicicleta completa dois séculos

Hoje, este genial meio de transporte é considerado a solução para nosso caos no trânsito e é um símbolo da mobilidade amiga da natureza. Mas foi a necessidade e a própria natureza que deram impulso à ideia da bicicleta. Ela foi inventada há 200 anos como “máquina de andar” (Draisine), por um alemão de nome Karl-Friedrich Drais.
Dificuldades econômicas e o clima fizeram diminuir o alimento para os cavalos, a principal força propulsora do transporte no século 19. Em 1812 houve uma brutal quebra na safra de aveia e, enquanto os pobres não tinham como alimentar os “motores” de suas carroças, a nobreza ficava com o que era possível para os belos animais de suas carruagens.
Mas isso não foi tudo. Em 1816 a catastrófica erupção do vulcão Tambora, na Indonésia, lançou tantas cinzas na atmosfera terrestre que o sol sumiu também na Europa, dando início a uma pequena era glacial de consequências épicas para a agricultura, a saúde e até a política. A escassez de alimentos levou à Queda da Bastilha, por exemplo. Enquanto se protestava contra a injustiça social e a carestia, os cavalos morriam como moscas, de fome.
A bicicleta foi uma espécie de “efeito colateral” de tudo isso. Drais fez o primeiro teste com sua invenção no dia 12 de junho de 1817. A “máquina de andar” substituía o cavalo com vantagens. Além de não comer feno ou aveia, fazia seu usuário exercitar-se, e era mais rápida que um cavalo em longas marchas (15 Km/h contra 12 Km/h de um cavalo).
Não demorou para esta inacreditável invenção virar moda também entre os nobres. Com a invenção do pedal, uma década depois, a bicicleta tornou-se uma febre, com modelos cada vez mais leves e rápidos.
Em tempo, Karl Drais era um gênio inventivo nato. Entre suas criações, além da máquina de andar, estão um gravador de piano, uma máquina de escrever com 25 teclas (inventada no Brasil por ele!), um fogão que economiza lenha e uma máquina de cozinhar carne.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”