Para pensar...



Segundo um seminário Sul/Sul sobre seguridade social, que está sendo promovido pelo Banco Mundial no Brasil durante esta semana, o Brasil hoje “não é mais um laboratório de políticas sociais, mas uma universidade. Quem quiser aprender sobre políticas sociais tem que vir ao Brasil”. O Brasil virou referência mundial no assunto. O seminário tem representantes de 50 países.

Um dos principais motivos do entusiasmo do Banco Mundial é o Bolsa Família, que segundo estudos não tem nada de paternalista ou que seja uma forma de cooptar eleitores ou de promover a preguiça.
Há dezenas de programas acoplados ao Bolsa Família. Um deles, por exemplo, é a meta do governo de matricular um milhão de pessoas no Pronatec, que oferece cursos profissionalizantes de 400 horas que preparam de pedreiros a cuidadores de idosos em mais de 530 cursos. Essa meta foi atingida em março, nove meses antes do previsto.

Um bom exemplo do que o Bolsa Família pode promover é possível observar em Cobrobó (PE), onde os investimentos federais fizeram a venda de produtos da linha branca e de celulares dispararem, além da chegada de agências bancárias à cidade, da ampliação da feira e de novos empregos sendo criados.

Pesquisas científicas de organismos internacionais independentes comprovam que o bolsa família não é nada disso do que falam os seus opositores. O primeiro dado prova que a taxa de ocupação é de 75% entre os não beneficiários do bolsa família e é exatamente o mesmo entre os beneficiários.

Nesse sentido, só pode haver de fato dois tipos de crítica continuada ao Bolsa Família. O primeiro tipo é o ideológico, de fazer oposição sem querer ouvir qualquer argumento: se é do PT não tem jeito, é ruim e acabou. O segundo motivo é de discriminação mesmo: pobre é tudo o que há de ruim no Brasil e pronto; é malandro, é aproveitador, é bandido, é dependente e cara de pau. 

Particularmente, eu não acredito em nenhum dos dois argumentos, e te digo: o Banco Mundial também pensa como eu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”