A barbárie diante da porta

Cena 1: Jovem, 21 anos, carro na mão, madrugada, balada e festa... Pressa desnecessária, absurda, incompreensível... Encontra um veículo à sua frente, com um casal a bordo... Rua Tuiuti, na minha cidade natal, Rio do Sul... A moto é considerada um obstáculo a ser superado... como num videogame... O jovem arrogante encosta, ameaça passar por cima... O Casal protesta...

Cena 2: O jovem de 21 anos avança, encosta na moto e derruba co veículo com o casal a bordo... Em sua sanha, não se intimida. A mulher cai debaixo do seu veículo... Ele continua o seu glorioso passeio, com a mulher debaixo do seu carro... Por 100, 200, 300 metros... meio quilômetro... Um taxista o aborda para que pare. Perto dos 800 metros ele finalmente pára... Foge do local, o covarde.

Cena 3: A mulher embaixo do carro está milagrosamente viva... Mas o capacete desgastou-se até o forro (veja a foto)... Ela tem os dois seios seriamente mutilados, pelo atrito contra o asfalto. Ela está internada e seu estado é desconhecido.

Cena 4: Ontem à tarde finalmente o apressado jovem de 21 anos se apresenta à polícia. Chora como criança. Tenta enganar a polícia e todo mundo, dizendo que "não percebeu" a mulher debaixo do carro... Como é que alguém anda quase um quilômetro com o corpo de uma pessoa embaixo do seu carro e NÃO PERCEBE???

Esse tipo de atitude absurdamente revoltante não escolhe mais lugar... Há pouco, era coisa de São Paulo, do Rio de Janeiro... Agora, vejo cenas como esta acontecendo na minha pacata Rio do Sul... É a barbárie completa, dentro da nossa casa, no nosso nariz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”