Alcantaro, segurança e confiança

A morte de Alcantaro Correa mexeu comigo. Conheci o homem pessoalmente, quando ele era o diretor presidente da Electro Aço Altona. Eu, com um orgulho enorme, tinha esta empresa na minha carteira de clientes, nos primeiros anos da Mythos Comunicação e, mensalmente, sentava com o RH da empresa para montar o informativo que ia para os mil e poucos funcionários da maior fundição do Vale do Itajaí.
Falei pessoalmente com ele na grande festa dos 80 anos da Altona. Era um homem simples, correto, e extremamente competente. Alcantaro Correa tirou a Altona de uma difícil situação nos anos 80 e a projetou internacionalmente nos anos 90. Lembro de algumas fotos publicadas no informativo da empresa, de enormes turbinas que saíam de lá de madrugada, sobre carretas com dezenas de rodados.
Foi naquele tempo que eu tive contatos em 3D com as regras da gestão empresarial séria, internacionalmente regulada pelas rígidas normas ISO. Aquela enorme fundição, que no passado já era um verdadeiro caos misturado a areia e minério de ferro - odiada na vizinhança pela espessa fumaça que grudava em tudo dentro e fora das casas -, havia se tornado num brinco durante a gestão de Correa. Pleiteava a ISO 14.000, de Gestão Ambiental. As outras, era só manter as rédeas para ir galgando os degraus da qualidade.
Alcantaro Correa também era assim em sua vida pessoal. Homem comedido, regrado, reservado até. Ele tinha, entretanto, uma paixão. Ainda que tivesse um sobrenome luso-brasileiro, aparentava ser um rigoroso adepto do slogan "Ordnung muss sein!". Tipicamente alemão, portanto.
Uma joia em sua vida privada expressava isso desde os tempos da Altona: ele não abria mão de dirigir pessoalmente a sua BMW 750i. Se não era a única de Blumenau, é porque ele não ficava com a sua por muito tempo. E alguém invariavelmente botava a mão na 750i de segunda mão do Alcantaro. Assim que saía uma nova versão, ele era o orgulhoso proprietário deste luxo sobre rodas.
A BMW 750i é a limusine top de linha produzida pela Bayerische Motoren Werke de Munique. Nada é maior, nada é mais confortável nem mais luxuoso. Sobretudo, nada é mais seguro e confiável. A profusão de Airbags é tamanha que aquilo mais parece um festival de balões.
Quando esta nave foi lançada pela BMW, alguns jovens alemães ricos e loucos da pedra gostavam de provocar acidentes em alta velocidade nas Autobahn alemãs a bordo da 750i, apenas para ter a alucinante sensação da proteção dessa cama de balões sobre rodas. E quase todos eles escaparam vivos.
Na madrugada de 10 de dezembro, zero hora e quarenta minutos, esta balonave über-segura não poupou a vida de seu solitário amante da segurança. Alcantaro Correa não imaginava, jamais, que um cavalo iria brecar os mais de 400 sob o capô do seu "porto seguro" sobre rodas. Um cavalo... Na BR-101, entre as nossas vias de carroça, a rodovia mais segura de Santa Catarina...
Eu não acredito em destino e me nego a imaginar, sempre que minha mente insiste, que uma combinação de sortes e azares regida por astros ou deuses domine o nosso Já-e-Ainda-Não.
Mas de uma coisa eu tenho certeza. Nossas apostas de segurança e certeza são vergonhosamente arrasadas em muitas ocasiões. Às vezes, por um cavalo que atravessa nosso caminho...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”