Mandiba quer descansar



Em meio à onda de protestos no Brasil e no mundo, de reivindicações de balcão por toda parte e de exigências como de criança mimada que se atira no chão da loja de brinquedos e esperneia até ser atendida, vai passando despercebida uma lenta agonia. Aos 94 anos, Nelson “Mandiba” Mandela quer o merecido descanso. Um ícone mundial das lutas difíceis – e daquelas que realmente valem a pena – quer partir.

Mandiba é a prova de que “a luta é tamanha”. Não há balcões onde se possa comprar um país melhor, mais qualidade na educação e na segurança ou um pouco menos de corrupção. Essa é uma luta árdua e demorada, que pode custar muito além de meia dúzia de cartazes ou faixas num protesto de rua. Tanto é assim que Mandela passou a juventude e boa parte da vida adulta atrás das grades por conta de uma África do Sul livre do apartheid.

Foi libertado já velho, para comandar uma transição difícil de um país corrupto e nas mãos da minoria branca para um país africano autêntico, em que havia espaço também para os negros. E não o fez espumando de raiva, vociferando impropérios contra adversários, mas num duro e trabalhoso processo de reconciliação nacional, que transformou a África do Sul num modelo real do que significa recomeçar do zero, reconciliando os inimigos e construindo pontes em vez de prisões.

Mandiba fará falta a um mundo ansioso, angustiado e prisioneiro da pressa cidadã. A sua paciência repleta de sabedoria se fixa como uma lição inalienável de que conquistas perenes são erguidas com persistência, dedicação e paciência. Hoje não oro para que Nelson Mandela tenha mais alguns dias, meses ou anos de difícil vida de alquebrado ancião, mas para que a bela lição de Mandiba permaneça eternamente na nossa memória e se transforme num daqueles legados que a humanidade não pode, sob nenhuma hipótese, esquecer.

Comentários

  1. Caroline Schwarzbold25 de junho de 2013 16:52

    Excelente texto! Obrigada por compartilhá-lo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”