Admoestação e oração por união no barco da igreja



 Pastor presidente Friedrich entre o sinodal Lemke (E) e o casal de ministros da Barra.

A passagem do pastor presidente da IECLB, Nestor Paulo Friedrich, por Santa Catarina neste final de semana teve uma advertência e uma oração: a unidade da igreja é inegociável. Friecrich chegou no sábado 22 de fevereiro, para uma megaordenação de nove ministros e ministras ao ministério pastoral em Jaraguá do Sul (SC). No domingo, ele esteve em Estrada da Ilha, onde a comunidade celebrava 150 anos e lembrava o pastor Otto Kuhr.

O PP foi o pregador nos dois cultos. No sábado em Barra do Rio Cerro-Jaraguá do Sul a sua mão conduziu seis mulheres e três homens ao ministério ordenado, ou seja, agora eles se juntam àqueles e àquelas que têm o legado de anunciar o evangelho em nome da IECLB.

Em sua pregação, Nestor deixou muito claro que os nove – nem ninguém! – não recebiam a ordenação para falar em seu nome e de suas ideias ou ideologias, mas era um compromisso de responsabilidade com o Evangelho de Jesus Cristo.

Ele disse explicitamente que a ordenação não é a chave para falar em nome de um grupo, uma facção ou um movimento dentro da IECLB. Eles agora integravam o ministério ordenado da IECLB e a sua responsabilidade estava com esta instituição e não com qualquer outro agrupamento dentro ou ao lado da mesma. Senti firmeza.

Quem participou do culto do domingo, na Estrada da Ilha, ouviu as mesmas admoestações do PP. Que usou o exemplo do pastor Otto Kuhr como um homem sábio, que lutou pela unidade em tempos bicudos.

Mais do que uma admoestação do pastor Nestor, essa coincidência é uma oração por diálogo e unidade. Um dos lugares em que também há esse tipo de confronto é nos grupos da IECLB no FaceBook. Eu junto minhas orações às do pastor presidente. Essa disputa pela "verdade" é odiosa.

Estamos todos e todas no mesmo barco. Enquanto digladiamos, o próprio barco corre sérios riscos. O pastor Otto Kuhr era sábio e, para quem aprecia um pouquinho as lições da história, ele foi um dos arquitetos da unidade da IECLB naqueles tempos bicudos. Porque a coisa estava bem feia entre as comunidades independentes e cada uma se julgava uma pequena igrejinha e não queria muito ouvir dos outros.

Espero que sejamos tão sábios quanto foi Otto Kuhr e que, depois de 150 anos, não comecemos a dar lamentáveis passos para trás, nos dividindo cada um para o seu campinho com a sua bola. É fácil de adivinhar o resultado: quando a bola tem dono, o jogo pode acabar antes do segundo tempo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”