Passeio amoroso virtual



Esta impressionante produção levou dois anos para ficar pronta. É comovente ver como este homem constrói um mundo holográfico em 3D para a sua amada, que está em coma. Com um ship acoplado à cabeça dela, ele consegue transmitir-lhe todas as sensações de um passeio real por uma cidade deslumbrante, em cujo jardim ele planta uma flor. O filme impressiona pela genial composição, mas também pelo alto grau de sensibilidade humana embutido no enredo.

Será que um dia poderemos ter tal interatividade com os computadores que seremos capazes de despertar as sensações do real a partir do virtual? Eu não duvido.

Entretanto, na minha caminhada de vida até aqui com pessoas em coma ou em fase terminal de vida, percebi que, mesmo ausentes, elas estão presentes. O coma dá a impressão de total paralização; um stand by biológico e emocional. Mesmo neste estado letárgico agudo, o doente sente, percebe, ouve e entende o que é dito em sua presença. Ele não pode reagir, mas registra, se emociona ou se apavora, tem esperança ou entra em desespero com tudo aquilo que capta.

Por isso, mesmo sem os recursos sugeridos neste vídeo, simplesmente com a nossa voz e as nossas mãos, podemos transmitir milhões de sensações a alguém amado e que esteja no fundo da cama.

Dá para comparar com a historinha que contamos aos nossos filhos antes de dormir. Estimula, anima, desperta a fantasia e faz qualquer um ir longe, viajar sem sair do lugar, mesmo que esteja no fundo de uma cama esperando a morte chegar. Um passeio virtual pelas melhores lembranças de qualquer pessoa é possível, mesmo sem os recursos 3D. Você pode até colher e entregar uma flor virtual à pessoa amada durante este passeio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”