"Branca de Neve" - 75 anos





Uma das experiências mais espetaculares que eu vivi na minha infância tem a ver com o cinema e com a oportunidade de ver um filme que, na época, já era um bem vivido adulto. Lembro como se estivesse acontecendo neste momento. A matiné dominical do Cine Teatro Dom Bosco, na minha querida Rio do Sul, exibia “Branca de Neve e os Sete Anões”, de Walt Disney. Isso foi no ano em torno de 1968 e eu já não era mais tão criança assim. Mas o meu deslumbramento era indescritivelmente maior do que o de qualquer criança que hoje vai ver um espetáculo arrebatador em 3D.

Aquilo tudo ficou registrado em minha mente como uma imagem numa película fotográfica. Cada gesto de Dunga ou do momento mágico na mina com os anões cantarolando “eu vou, eu vou, prá casa agora eu vou! Pa, ra, ra, tchim, bum! Eu vou, eu vou!”... está tudo gravado na minha retina, como se eu tivesse visto o filme ainda ontem.

Eu fico impressionado como eu registrei tantos detalhes que ficaram profundamente marcados em mim como um DNA em Technicolor... mais até do que detalhes de “Rei Leão”, que eu vi com o meu neto ao menos umas dezena de vezes.

Pois hoje, dia 4 de fevereiro, completam-se 75 anos da estreia de “Branca de Neve e os Sete Anões” nos cinemas americanos. O ano era 1938. Era o primeiro filme de animação produzido nos EUA, o primeiro todo em cores, o primeiro de Walt Disney e tornou-se o primeiro dos seus clássicos. Desde então, vem sendo relançado a cada dez anos e adaptado às novas tecnologias cinematográficas, sem nunca, jamais, perder sua encantadora genialidade.

Nunca, desde que os Irmãos Grimm escreveram “Schneewitchen” (“Branca de Neve” em alemão), essa história era contada com tamanho requinte, tanta riqueza de detalhes e de forma tão arrebatadoramente comovente.

Quando Disney começou a falar do seu projeto, quase ninguém acreditou que o público iria ver um filme de longa duração sobre anões. Lilian Disney, esposa de Walt, temia ficar endividada depois que seu marido apostou todos os seus bens para emprestar 1,5 milhão de dólares para produzir o filme.

No dia 21 de dezembro de 1937 o filme foi apresentado em Hollywood para uma pré-estreia para astros e estrelas. Ao final, uma estrondosa ovação prenunciava o sucesso da empreitada de Disney. Depois do dia 4 de fevereiro, rapidamente o filme arrecadou 8 milhões de dólares em plena Grande Depressão americana.

Desde então – e não só até passar pelos meus deslumbrados sentidos naquele cinema em Rio do Sul –, o filme de Disney lhe rendeu um Oscar honorário e continua sem perder a força original. Em 2008, o American Film Institute escolheu Branca de Neve e os Sete Anões como o melhor filme de animação de todos os tempos.

Nem é preciso dizer que não havia nenhum recurso eletrônico ou efeitos de computador. Tudo foi minuciosamente desenhado, quadro a quadro, por centenas de desenhistas sob o exigente crivo do mestre Disney. Só na criação dos sete anões, que foi a parte mais difícil da produção do filme, foram necessários 570 desenhistas e várias versões até chegar à versão final. 

Um trabalho muito além de grandioso, não acham? Vale a pena conferir ainda hoje. Especialmente, se você nunca se deslumbrou diante de uma maravilha cinematográfica, tal qual me aconteceu naquele longínquo domingo à tarde, há mais de 45 anos passados...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”