O gatilho que transforma a vida




Outra vez uma arma envolvida. Ontem, Oscar Pistorius era um exemplo a ser seguido. Incrível o que um homem sem os pés é capaz de fazer... Hoje ele está na lista das pessoas capazes de puxar o gatilho, contra a mulher que jurava amar e com quem dividia a vida e o teto nos últimos meses.Reeva Streenkamp está morta e ele decidiu, por conta própria, sair das páginas esportivas e entrar para as policiais.

O motivo tanto faz.

Se foi porque a confundiu com um ladrão, pode até parecer uma dessas fatalidades que se repetem demais. Mas a verdade é que, segundo a lei, mesmo que você mate um ladrão dentro de sua casa, você será enquadrado pela justiça como assassino.

Se foi motivado por mais uma briga doméstica (Pistorius já tinha a ficha suja por conta desse tipo de ataque de violência), ele fez a clara opção de sair do topo da lista das pessoas mais admiradas da África do Sul e do esporte mundial para entrar na lista das pessoas mais desprezadas do planeta.

Enquanto Pistorius puxava o gatilho e mudava a sua vida para sempre, milhões de americanos corriam ao Walmart para comprar munições e armas, antes que as leis de controle de armas endureçam por lá. Havia filas em todas as lojas e a quantidade de munição e de armas estava sendo limitada por pessoa. 

Nesse mesmo tempo, a África do Sul, um dos países com os maiores índices de criminalidade do planeta, revelava-se ao mundo como mais uma sociedade entulhada de armas nas casas das pessoas. 

Estranha paixão essa, que insiste em repetir exponencialmente histórias lamentáveis como a de Oscar Pistorius.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”