Preconceito não combina com democracia


“Se você não é da raça branca, este site não é para pessoas como você. A IKA odeia negros, hispânicos, asiáticos e judeus”. Quem acessa o site do “Klans Imperiais da América” dá de cara com esta mensagem. Assim funciona a cabeça desse pessoal, em pleno século 21. O grupo é apenas um dos muitos herdeiros modernos da organização racista cristã Ku Klux Klan (KKK), que atua nos EUA desde 1860. Sua atividade começou na década de 1920, promovendo a perseguição a negros e imigrantes, queimando cruzes e vestindo capuzes brancos.

Sob a proteção da Constituição Americana, que garante liberdade irrestrita de expressão – a KKK ampliou o leque do seu ódio e prega a superioridade da “raça branca cristã” sobre negros, judeus, homossexuais e imigrantes em geral. Novos grupos inspirados na KKK crescem nos Estados Unidos em pleno século 21. De acordo com levantamento do Southern Poverty Law Center (SPLC) – organização americana que monitora os chamados “grupos de ódio” – o número de organizações do tipo passou de 110 no ano 2000 para 187 em 2009, um crescimento de 70%.

O problema maior não é mais a violência que eles praticavam no passado, incendiando igrejas, fazendas e casas de negros e imigrantes ou batendo neles nas ruas. Hoje, tais eventos são muito raros. O problema maior é o espaço que suas idéias estão alcançando na internet, onde qualquer um tem acesso irrestrito a seus sites. A propaganda acaba influenciando o debate político, as teorias da conspiração propagadas por eles ameaçam a discussão democrática e muita gente acaba entrando nessa onda.

Infelizmente, também aqui no Brasil – onde a mania de copiar os americanos em tudo parece não ter fim nunca – idéias assim conseguem um bom espaço, especialmente aqui no Sul, em grupos separatistas, com pensamentos de extrema-direita e inspiração neo-nazista. O ódio aos nordestinos é crescente nesses grupos e, em diversos casos, chega às vias de fato, com violência e assassinatos. Outras vítimas de seus preconceitos e perseguição são os povos indígenas (Xokleng e Guarani em particular, na nossa região). Apesar de pequenos, eles são organizados e combatem qualquer um que defenda pensamentos de paz, não-violência e inclusão de minorias.

Dar espaço a tais idéias ultrapassa os limites da liberdade democrática, porque o modo de conquistar adeptos e de defender sua ideologia não faz uso dos instrumentos democráticos. Antes, os subverte em benefício próprio. Igrejas, escolas, ONGs, partidos políticos e todas as entidades legais da sociedade devem combater esses ideais a cada momento que aparecem, na sala de aula, no grupo de jovens, na rua, dentro de casa com os filhos ou onde quer que seja.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”