Rodeio 12, espaço de musculação cerebral

O pastor Meinrad Piske idealizou e concluiu Rodeio 12

Cheia de boas recordações foi a festa dos 25 anos do Centro de Eventos Rodeio 12, ontem. Mais de cem mil pessoas passaram pelos registros da casa durante este tempo, participando de encontros, seminários, cursos e eventos de diversas envergaduras. As homenagens principais, como não poderia deixar de ser, foram para o pastor Meinrad Piske e esposa, que sonharam, planejaram e concretizaram o Lar, e o timboense Alidor Pieritz, homenageado ao lado da esposa, que coordenou os trabalhos de implantação do complexo em Rodeio 12 por 17 anos.

Piske sonhou em reproduzir no Brasil a experiência das academias alemãs. "Um dos motivos pelos quais essa ideia não emplacou, é que os jovens riam de nós com um nome desses, pois na opinião deles a academia é lugar de fazer ginástica". O espantoso número de 100 mil registros, entretanto, comprova que, do nosso jeito brasileiro, não passamos longe deste objetivo inicial.

Conheci o fantástico trabalho das academias evangélicas da Alemanha em 1988, e esta experiência foi uma das mais ricas da minha vida. Mal sabem os jovens que riram da ideia do pastor Piske que as 29 academias criadas pela Igreja Evangélica da Alemanha no período pós-guerra promoveram exatamente isso: ginástica. Melhor ainda: musculação. Mas não para tornar os alemães mais bombados (apesar do nome, Schwartznegger é austríaco de origem!). A ginástica que as academias evangélicas fizeram nos alemães ao longo dos últimos 60 anos foi para o cérebro. Musculação cerebral da mais cevera.

Essas academias contribuíram decisivamente para formar a nova sociedade alemã, que acabava de sair da mais traumatizante experiência da história da humanidade. Se existe um fundo do poço para a barbárie humana, então este foi alcançado de maneira total com a experiência do nazismo. O trabalho de reconstruir uma nação de dentro de todo este lodo certamente não foi fácil, nem simples. As academias evangélicas foram um espaço de reflexão profunda, madura e exemplar em torno deste delírio coletivo.O futuro foi minuciosamente trabalhado, em longos debates, nos seminários, encontros e eventos propostos nas academias evangélicas.

Temas ousados e polêmicos foram cuidadosamente levantados e trabalhados pela sociedade alemã nessas seis décadas, como a social-democracia, os direitos humanos, o feminismo, a ajuda para o desenvolvimento do terceiro mundo, a realidade do leste europeu, o ecumenismo, a paz mundial, o capitalismo e o socialismo, e muitos outros. Muitos deles levaram a embates fervorosos, dentro dessas a cademias.

À nossa maneira, Rodeio 12 foi a nossa academia nos últimos 25 anos. Ainda nos falta um pouco da determinação alemã em enfrentar com mais desenvoltura os temas mais polêmicos da nossa vida em sociedade, que gostamos tanto de empurrar para debaixo do tapete, ou de esconder para evitar o duro embate que sua discussão fatalmente vai trazer. Mas também esta disposição faz parte de um processo de amadurecimento em meio ao qual nos encontramos. No nosso ritmo, vamos chegar lá.

O que precisamos de momento, é manter aquela casa funcionando. Se, por algum motivo, perdermos Rodeio 12 porque nos faltou amor àquele patrimônio tão arduamente erguido, não estaremos somente voltando as costas ao debate das nossas polêmicas, mas abrindo mão de um espaço importantíssimo no qual podemos fazer isto com a profundidade necessária. Sobretudo, estaremos permitindo que os músculos dos nossos cérebros se atrofiem irremediavelmente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”