Um palhaço que merece a nossa admiração




O palhaço Tiririca virou o deputado mais votado do Brasil há dois anos. Quem não se lembra disso e de tudo o que disseram sobre esta eleição, considerada por muitos – talvez a imensa maioria dos brasileiros – uma demonstração cabal da total decadência da política tupiniquim. “Você sabe o que faz um deputado? Eu também não. Vote em mim para que eu possa descobrir e lhe contar.” Era mais ou menos isso que o Tiririca dizia na sua campanha. Seu bordão virou hit no YouTube. E Tiririca, numa espécie de “piada de mau gosto” nacional, como todo mundo dizia, elegeu-se. Mais do que isso, foi o deputado mais votado de São Paulo, e um dos mais votados do Brasil, recebendo um milhão e trezentos mil votos.

E Tiritica aprendeu o que faz um deputado. Mesmo enfrentando o preconceito da nação contra os pobres, os feios, os iletrados e os palhaços, o mané dos manés foi considerado um dos 25 melhores parlamentares do Congresso Nacional, num escolha feita pelos jornalistas. “Só pode ser piada”, escreveu um missivista indignado no Jornal de Santa Catarina.

Piada é a recorrente predisposição da elite brasileira para avacalhar com gente como Tiririca. Queriam caçar o diploma de deputado dele, ou nem permitir que o recebesse, sem provar que sabe ler e escrever. Ele provou e, ainda assim, os doentes mentais disseram que ele decorou e colou.

Quem é o deputado Tiririca? Bem, segundo a jornalista e professora da UFSC Elaine Tavares, os jornalistas sabem muito bem porque o Tiririca é um dos melhores deputados do Brasil. Não há nenhuma piada nisso. Há é preconceito da parte de quem não acredita.

“E o que sabemos da atuação do Tiririca? Que ele trabalha, que ele tem se esforçado e que apresentou um importante projeto para proteger a gente do circo. Olha só! Ele quer que o estado garanta ao povo do circo o direito de estar incluído na Lei Orgânica de Assistência Social, para que possam ser atendidos pelo SUS mesmo sem ter endereço. Segundo ele, os artistas circenses não conseguem atendimento médico nos posto de saúde por esse motivo: não têm endereço. Assim como não podem ter seus filhos matriculados na rede pública de ensino. Pois vejam bem, o Tiririca. Está atuando pelos direitos dos que o elegeram de fato: os empobrecidos, os abandonados. Ao contrário dos deputados que se elegem prometendo cuidar dos pobres, ganham o voto dos pobres, e depois se deitam na cama dos seus financiadores de campanha, cedendo aos desejos das grandes empresas, das multinacionais,” escreve Elaine em seu blog.

“Segundo informes da Câmara dos Deputados, Tiririca é um dos nove parlamentares que registraram presença em todas as 171 sessões destinadas às votações. É presença certa nas comissões, coisa que não é obrigatória e esteve em 106 (88%) das 120 reuniões da Comissão de Educação e Cultura, da qual é titular. Também segundo os dados da Câmara já apresentou sete projetos de lei – todos voltados para o circo e a educação. Ainda não falou no plenário, mas pode ser encontrado sempre em seu gabinete, onde atende com deferência a quem quer que chegue,” emenda a jornalista.

Antes de elogiar o surpreendente desempenho do “palhaço”, Elaine questiona: “Eu não sei o que vai acontecer com o Tiririca, se ele vai um dia sucumbir ao canto da sereia do poder. Se vota com a direita, se não tem muita consciência do que é o seu minúsculo partido”.

A resposta às dúvidas da jornalista está na edição de hoje (27 de setembro) da Folha de S. Paulo. Decepcionado com a política, tão-somente dois anos depois de iniciar a sua aplaudida trajetória na Câmara dos Deputados, Tirica se diz profundamente “desacreditado da política”. Ele demonstra decepção com a burocracia do Congresso. “Eu não sei se pretendo continuar, por ser muito difícil lá dentro”, disse Tiririca à Rádio Libertadores FM, de Aracaju (SE).

Se muitos tiveram que engolir em seco com o desempenho do “palhaço”, agora ele dá a prova definitiva de que ele não estava fazendo piada ao se candidatar a uma vaga no Congresso. “Eu pensei que chegando à condição que eu cheguei, ia lá e ia aprovar projetos que iam beneficiar a população e essas coisas todas, mas não é assim. Há outros interesses”, afirmou.

É, Tiririca, o verdadeiro palhaço não é você! Você é um brasileiro digno, que merece o nosso respeito e admiração. Você é um exemplo e a sua história merece um quadro! Os palhaços somos nós, que continuamos rindo de tudo o que fazem naquele circo que colocou os holofotes em você para poderem continuar a roubar o dinheiro das entradas do circo... Os palhaços somos nós, que pulamos e nos divertimos com essas eleições municipais e com as palhaçadas que dizem uns dos outros... Santo circo!

Comentários

  1. então ele estava certo em dizer "pior que tá não fica!"
    Talvez ele pudesse ser usado como exemplo agora nas aulas de Educaçao Moral e Cívica...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”