A pirataria é anterior à internet

Esta imagem é uma prova cabal de que a pirataria é anterior à internet. Todos os jovens com algum recurso economizavam os seus parcos trocados para comprar um gravador de fitas K-7 e montar a sua própria "playlist", que na época não tinha este nome pomposo.

Era assim nos anos 1970. E era muito mais gostoso copiar as músicas de uma fita para a outra do que ouvi-las depois de copiadas... Isso sem contar os incômodos quando a fita dobrava ou enroscava no toca-fitas. Não era difícil encontrar centenas de metros de fita no meio da rua, arrancadas com fúria de dentro de um K-7 que deu problema.

A diferença é que hoje, depois do escândalo da prisão e soltura do dono do site Megaupload, tudo parece uma brincadeira de criança. Depois de virar multimilionário com a pirataria, Kim Dotcom foi preso na Nova Zelândia e teve os seus bens arestados pela justiça. Agora solto, no último sábado 19 de janeiro lançou seu novo site de downloads pela internet, agora só MEGA, que ele jura ser cem por cento legal. O pirata virou santo. Mas continua enriquecendo a olhos vistos, com a arte dos outros.

A outra diferença é que os jovens dos anos 1970 não costumavam vender as suas "playlists" em bancas de camelô. Eles curtiam música em casa ou no carro. Lembro bem de uma caixa gigante no console do carro, lotada de fitas gravadas. Hoje, quem imaginava isso na época das K-7 (?), cabem dezenas de playlists num simples MP3 Player.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”