A história se repete 500 anos depois



“Ele é como um filho rebelde”, resumiu o bispo da Diocese de Bauru, da Igreja Católica Apostólica Romana, ao referir-se ao padre Roberto Francisco Daniel, o “padre Beto”. Depois de um longo e doloroso processo que tentava fazer padre Beto retratar-se de suas polêmicas posições sobre sexualidade, hierarquia da igreja e mudanças que considera necessárias para que a igreja chegue bem à atualidade, ele foi excomungado na última segunda-feira por Dom Caetano Ferrari, bispo de Bauru. Segundo o Direito Canônico, ele não é mais padre, nem pode mais participar da eucaristia enquanto não pedir perdão à igreja.

Antes de receber o veredito de excomunhão, padre Beto já havia entregado seu pedido de afastamento do sacerdócio ao bispo. “Não posso ser padre de uma igreja que nega o direito de reflexão e o direito de livre expressão”, disse.  Agora vai enfrentar um processo canônico, o que de modo algum o intimida ou incomoda.

A história do padre Beto insiste em trazer à minha lembrança outra história bem parecida, que aconteceu com o frei capuchinho Martim Lutero. Obviamente, há várias diferenças entre as duas histórias. 

A primeira delas é a inacreditável distância de cinco séculos entre cada uma delas. 

A segunda é que, mesmo há 500 anos, frei Martim foi julgado por um tribunal que era presidido pelo próprio imperador Carlos V. Já padre Beto foi levado a uma sala separada das dependências da diocese de Bauru para ser julgado pelo bispo e dois presbíteros, sem antes ter sido informado de que estava “num tribunal”.

A terceira é que frei Martim foi excomungado por uma bula papal. Padre Beto foi excomungado por uma “Nota da Diocese ao Povo de Deus de Bauru”.

O que impressiona, entretanto, é a grande semelhança que há entre frei Martim e padre Beto. “Não posso nem quero retratar-me de coisa alguma, pois ir contra a consciência não é justo nem seguro. Deus me ajude. Amém”, disse Lutero em Worms, diante do imperador.  “Eu não tenho do que me redimir. Muito menos a quem ou do que pedir perdão de tudo aquilo que eu fiz e declarei nas redes sociais. Se refletir é um pecado, eu sou um pecador e sempre serei. Não vou negar ser uma pessoa reflexiva e uma pessoa que pensa”, declarou padre Beto. “Acho impossível seguir o evangelho de Jesus Cristo em uma instituição que, no momento, não respeita a liberdade de reflexão e de expressão. O modelo que nós temos que seguir se chama Jesus Cristo e esse modelo viveu plenamente essa liberdade e fez com que as pessoas refletissem”, emendou o padre.

Acho que frei Martim assinaria embaixo da declaração do padre Beto.

Leia a íntegra da história de padre Beto aqui.

Comentários

  1. Acho que não assinaria,não! Que comparação terrível! aff. Devemos amar o pecador e não o pecado, pois a própria Palavra de Deus coloca limites para o nosso pensar. A fé, o temor a Deus deve presidir a dúvida, o pensar. Adão pecou porque colocou em dúvida a ordem de Deus. Então, acho não preciso falar mais nada. Melhor tenho sim, para Lutero a Palavra de Deus interpreta a si mesma. Então, temos que tomar base nela para argumentarmos e não partindo de nossa condição que é pecaminosa, enganosa (Jr 17.10).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”