A oração que ofende os poderosos




Os apelos internacionais por respeito aos direitos humanos em Moscou, em apoio às integrantes da banda Pussy Riot, não surtiram efeito. Elas foram condenadas a dois anos de prisão. Como Maria Aljochina, Jekaterina Samuzewitsch e Nadeschda Tolonnikowa já estão detidas há seis meses, têm ainda um ano e meio a cumprir. Duas delas são mães.

O que elas fizeram? Para protestar contra a candidatura de Wladimir Putin à presidência, elas criaram uma “oração punk” e a fizeram à Virgem Maria, na catedral ortodoxa russa, diante do altar, pedindo que ela arranque Putin do poder. Após ler uma condenação por mais de duas horas, a juíza as condenou por “vandalismo motivado por ódio religioso”. Deve ser o mesmo ódio rezado por muitos salmos, que pede a Deus rigor contra os inimigos e os poderosos em muitos e muitos versículos...

A igreja ortodoxa russa encaminhou um pedido de clemência às autoridades, “sem questionar o veredito” e “na esperança de que as três mulheres no futuro não mais pratiquem tais atos de blasfêmia a Deus”.  A igreja, estreita aliada do poder desde a queda do comunismo, está espremida entre os fiéis e os nacionalistas de um lado, e os que condenam o veredito das autoridades de outro. Para aqueles, uma blasfêmia e um ultraje à autoridade constituída; para estes, um processo com clara motivação política. Muitos que protestavam contra a decisão foram presos pela polícia, entre eles o enxadrista Garry Kasparov e diversos ativistas da esquerda russa.

Orações que pedem proteção contra os poderosos são bastante comuns na Bíblia. Também é muito comum que tais pedidos atingem o ego destes e os ofendem profundamente. Com o poder que têm, não pensam duas vezes em usar a "lei" contra seus detratores. Este foi o principal pecado das integrantes do Pussy Riot. E a sua maior blasfêmia também...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”