Carta pastoral sobre eleições



O pastor sinodal Breno Carlos Willrich (foto), do Sínodo Vale do Itajaí-IECLB, divulgou ontem uma carta pastoral sobre as eleições municipais. Nela, ele incentiva a participação cidadã dos luteranos e das luteranas, bem como coloca algumas regras para manifestações de candidatos e candidatas nas comunidades e encontros eclesiais. A seguir, a carta pastoral do pastor sinodal na integra:

“Política é tudo o que diz respeito à esfera pública, ao ambiente em que vivemos. Todos nós somos pessoas ‘políticas’, cidadãos, integrantes de uma nação. Somos Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. Por ser assim, temos uma responsabilidade por este país, por seu povo, assim como temos por todo o mundo. Somos exortados a procurar a ‘paz na cidade’. (Jr 29.7).” (Guia para o presbitério, p. 54).

Sendo assim nos alegramos que membros e lideranças de nossas comunidades no Sínodo Vale do Itajaí aceitam o desafio de se comprometer com esta busca pela paz na cidade através da candidatura a funções públicas. Conclamamos a estas lideranças que sejam fieis testemunhas do evangelho através da ética e da representação condigna dos cidadãos. Conclamamos igualmente os membros de nossas comunidades para que participem do processo de eleição de forma ética e digna de um cristão. Que os luteranos eleitores não troquem seus votos por favores. 

Apesar do exposto afirmamos que a Igreja como instituição, bem como todas as suas instâncias e setores de trabalho não tem opção partidária e não faz campanha para um/a ou outro/a candidato/a.
Nos últimos dias surgiram questionamentos sobre a manifestação de candidatos/as em grupos, setores de trabalho ou outras programações da Igreja. Sobre isso assim nos posicionamos:
  • Para o exercício da cidadania é imprescindível que os eleitores conheçam as plataformas e propostas dos que se apresentam aos cargos públicos. Incentivamos os membros de nossas comunidades a tomarem conhecimento das pautas dos candidatos/as;
  • A legislação eleitoral cede espaço nos meios de comunicação social para que os/as candidatos/as apresentem propostas e regulamenta o uso dos mesmos;
  • Se alguma comunidade, paróquia, setor ou grupo de trabalho deseja conceder espaço para que candidatos/as se manifestem em suas programações, as lideranças deverão discutir a intenção com o presbitério, diretoria e ministro/a local. Em caso de decisão de conceder espaço para manifestação de um/a candidato/a, o mesmo não poderá ser negado a nenhum outro;
  • Nossa recomendação é que, nas paróquias onde houver abertura para manifestação, seja escolhido um horário para organizar um debate onde todos/as os/as candidatos/as interessados/as possam apresentar suas propostas;
  • Fica também determinado que no “Dia da Igreja”, em Pomerode, por ser espaço de caráter público, não será concedida a palavra a nenhum candidato e nem mesmo permitida a panfletagem.
Esta carta pastoral, baseada no princípio bíblico da equidade e na Lei Eleitoral 9.504/97 – com todos os seus complementos vigentes, visa contribuir para que tenhamos um processo eletivo marcado pela ética e responsabilidade de cada cristão com um mundo de mais paz. 

P. Breno Carlos Willrich, Pastor Sinodal do Sínodo Vale do Itajaí - IECLB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”