Se liga n'ALIGA!



Ontem à noite, vi meu primeiro episódio de A Liga. O novo programa da Band é, de fato, novo. Novo formato, com um layout fantástico e inovador, muito na linha da revista Galileu, numa interação comunicacional perfeita entre a imagem, a narração e os grafismos. Nova abordagem, com atores-jornalistas envolvidos até a medula com as pessoas e o tema das reportagens. É um banho de comunicação e emoção no marasmo da TV aberta brasileira. Parabéns à Band.

O projeto é a única coisa que não é nova. Mas o que é bom deve ser copiado. O projeto do programa vem da produtora argentina Cuatro Cabezas (leia-se “CQC” e “E24″) e investe em um formato jornalístico em que quatro repórteres-atores dão depoimentos subjetivos sobre as experiências das reportagens. O programa usa recursos como a tela dividida para mostrar mais de uma ação ao mesmo tempo.

Sem um âncora do quilate de Caco Barcelos, o programa conseguiu nível A – como o Profissão Repórter – envolvendo gente nova e disposta à emoção da reportagem, com qualidade editorial.

Os apresentadores são o jornalista e comediante stand-up Rafinha – um dos apresentadores do “CQC” e um dos pioneiros no Brasil em usar a internet para divulgar seu trabalho –, Altair Gonçalves (Thaíde) – músico e ator –, a jornalista e ex-modelo Débora – apresentadora (SportTV, Globo Esporte e Record) – e a atriz de cinema, teatro e TV Rosanne – série JK, novela Sete Pecados e A Grande Família.

O programa de ontem à noite, um dos da série sobre o lixo, impressionou especialmente pelo envolvimento pessoal dos repórteres-atores com os seus entrevistados. Débora foi com sua entrevistada ao lixão de São Paulo e viveu ali um dia inteiro com ela. Rafinha passou o dia puxando um carrinho de catador de lixo e dormiu com os catadores debaixo do viaduto, em meio a ratos mortos e vivos. Thaíde entrou de cabeça na coleta de lixo na traseira de um caminhão coletor e Rosanne passou o dia com sua entrevistada coletando as sobras no Seasa paulista, jantando com a família uma refeição feita com os legumes e verduras coletados. Em todos eles marcou na alma o profundo respeito àquelas pessoas humildes e batalhadoras, todas retratadas como gente. Nota mil!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”