Nosso poder destrutivo e o tempo


O poder de destruição da espécie humana é impressionante. Que o diga esta obra de arte (clique sobre a imagem para ampliar), que compara o tempo geológico com o tempo de existência da humanidade sobre o planeta. A Terra, segundo os cientistas, tem a idade de 4 a 5 bilhões de anos. Já o ser humano, desde que é homo sapiens, tem em torno de 200 mil anos. Mas o período conhecido, registrado da história humana sobre a face do nosso planeta, tem somente cerca de 5 mil anos.

Na escala do tempo desta espiral, que leva em conta os 4 a 5 bilhões de anos e as diferentes eras geológicas, passando pelo surgimento dos primeiros organismos vivos, pela evolução até a origem dos mamíferos, passando pelos dinossauros, a história da humanidade representa somente um curto trechinho de menos de um centímetro nesta quilométrica espiral do tempo.

Se pegássemos esse trechinho de um centímetro que representa a história da presença humana sobre a terra e o dividíssemos num dia de 12 horas, o período com registro histórico começaria somente às 11h53min, as Cruzadas teriam ocorrido há cerca de um minuto e 44 segundos e a América teria sido descoberta há cerca de 55 segundos.

A era industrial somente teria ocorrido nos últimos 10 segundos e os 100 anos que levamos para colocar o planeta diante de um colapso climático irreversível, que ameaça elevar o nível dos mares em 7 metros nos próximos 50 anos, está ocorrendo nos últimos segundos deste dia de 12 horas da existência humana sobre a Terra.

Comparada com a história da própria Terra, a existência do ser humano fica totalmente fora de quaisquer proporções. Se a idade da Terra fosse comprimida num único ano, os primeiros oito meses estariam completamente desprovidos de vida; os mamíferos não apareceriam senão na segunda semana de dezembro; o ser humano faria a sua entrada em cena a 31 de dezembro, às 11h45 da noite, a escrita teria sido inventada há menos de um minuto, Cristo teria nascido há 22 segundos, e a América teria sido descoberta há seis segundos. Nessa comparação, a era industrial teria lançado o planeta na ameaça de um colapso climático somente no último segundo antes do fim do dia.

Se a existência do universo fosse compactada num único ano, no dia 1º de janeiro ocorreu o Big Bang, no dia 1º de outubro apareceu a Terra, no dia 31 de dezembro, às 23 horas, 59 minutos e 6 segundos nasceu Jesus Cristo. No mesmo dia, às 23 horas, 59 minutos e 59 segundos e 59 centésimos de segundo estamos prestes a provocar o tal colapso climático irreversível no nosso planeta, a única morada que temos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”