A questão ambiental e a Igreja


"O Galo Verde" é um selo ambiental destinado às igrejas alemãs que planejam suas ações considerando o impacto ambiental.

Neste ano em que a IECLB escolheu como tema do ano a questão ambiental, sob o mote “Paz na Criação de Deus”, há uma questão importante que deve ser levantada. A mesma questão também se levanta diante do tema da Campanha da Fraternidade deste ano, promulgado pela igreja católica. Ao cobrar postura ambiental da sociedade e dos cidadãos, como se posiciona a própria igreja diante da questão ambiental? Ou seja, quem propõe ações e procedimentos também os considera em seu próprio meio?

Para ser bem direto: a questão ambiental faz parte das questões a serem consideradas na administração da igreja? Como lidamos com os dejetos, o lixo, as sobras das festas, o papel usado em nossas secretarias, o material dos retiros e seminários, o tipo de material adotado nos cofee-breaks de nossos encontros e reuniões? Adotamos pratos e copos descartáveis para poupar o pessoal de lavar a louça depois e nem pensamos na agressão ambiental desta decisão? Que destinação a igreja dá para as sobras das festas de comunidade? Que tipo de detergente é usado para lavar os pratos depois do café do grupo das mulheres, ou depois do chá beneficente?

Como é tratado o bosque ou o jardim que cerca o templo, o cemitério, a casa pastoral, o centro comunitário? Questões ambientais sérias e refletidas são colocadas na balança? Ou o veneno é mais prático e menos trabalhoso do que a enxada? As folhas que caem das árvores são tratadas como lixo ou como componentes da adubação natural? Que produtos e técnicas são utilizados na limpeza e manutenção interna e externa dos ambientes comunitários?

Quais os cuidados com a água nas dependências eclesiais? Que tipo de válvulas assiste as descargas dos banheiros? As torneiras têm timer ou jorram água indefinidamente? Há vazamentos a serem controlados? Uma cisterna recolhe águas pluviais para rega, uso na limpeza e nos banheiros?

Quando a paróquia troca o carro de serviço do seu/sua ministro/a, a questão ambiental é considerada ou o peso maior está direcionado unicamente para o custo? O veículo a ser comprado é a melhor opção do ponto de vista ambiental? A exigência do/a ministro/a em relação a tamanho/potência/acessórios/etc. condiz com uma igreja que propõe “Paz na Criação de Deus”?

A questão ambiental é conscientemente planejada num acampamento de jovens, num dia da igreja, numa assembléia sinodal ou em outro encontro qualquer? Ela é levada em conta na avaliação pós-evento? Ela é um item considerado primordial no planejamento estratégico da igreja? Até mesmo no nosso culto, há alguma preocupação concreta com a questão verde, ou nos limitamos a incluí-la nas orações de intercessão?

Quando a comunidade constrói um novo templo, local de reuniões, casa de retiros, a obra tem preocupação com o impacto ambiental? São tomados cuidados para que o ambiente contemple corretamente ventilação/refrigeração/calefação com o uso mínimo de aparelhos que minimizem deficiências nestes aspectos, como ar-condicionado ou aquecimento central? Uma casa de retiros precisa de aquecimento central de água, em que durante um banho se jogam centenas de litros de água pelo ralo antes que se possa alcançar a temperatura desejada para um banho confortável?

Enfim, esta listinha de perguntas inquietantes poderia estender-se por muitos outros parágrafos e áreas em que nos movemos como igreja, nas nossas atividades semanais. A questão primordial, entretanto, é a do exemplo. Quem cobra, deve ao menos estar disposto a incluir o objeto de sua cobrança nas ações do seu próprio dia a dia. Quem propõe um debate como este, do tema do ano, deve tornar-se ele próprio objeto de avaliação.

Para não ficarmos, mais uma vez, somente numa “prédica”, ou seja, num discurso sem consequências práticas, chamo a atenção para um fantástico projeto que está dando certo na Alemanha. Trata-se de um selo verde eclesiástico, chamado “Der Grüne Hahn” (O Galo Verde). A símbolo (acima) faz referência aos galos no alto das torres das nossas igrejas. Ele está lá como um vigia, um atalaia. O Galo Verde é um atalaia ambiental sobre a torre da igreja.

Trata-se de um programa ambiental em que qualquer paróquia ou instituição eclesial da Alemanha pode inscrever-se. Ela elabora um programa ambiental para ser usado em suas dependências e atividades, coloca-o em prática e se submete a avaliação de observadores do “Der Grüne Hahn”. Há uma vistoria periódica, tipo ISO 9000, que determina se a instituição pode receber o selo do Galo Verde e se está apta a manter o referido selo de período em período. O programa está construído sobre o tripé Credibilidade – Sustentabilidade – Responsabilidade.

O ideal do projeto é desafiar a Igreja a uma administração responsável com o futuro, no sentido de que a igreja que defende a Criação também executa suas ações de modo responsável ambientalmente, no sentido de manter o planeta habitável para as futuras gerações. Mais detalhes sobre o Galo Verde podem ser obtidos no site do selo: http://www.gruener-hahn.net/.

Coisas boas devem ser transplantadas e imagino que, a exemplo dos selos ISO, também possamos implantar o selo do Galo Verde entre nós, de modo amplo e macro-ecumênico. Estou disposto a organizar um grupo para refletir estratégias e fazer contatos com a entidade alemã, no sentido de viabilizar sua implantação por aqui. O desafio está lançado.

Comentários

  1. Oooops!
    Domingo levo a proposta para o Conselho Paroquial de Schroeder. Será que não existe no Brasil algo assim? Uma "Certificadora de Igreja Verde"? Agora sei o motivo do galo na torre da Igreja da Paz, aqui em Schroeder. Mas, ele não é verde. Por enquanto!
    Norival

    ResponderExcluir
  2. Adorei a proposta e creio que deveria de fato ser mais "autoritário" na implementação de mudanças nas construções e práticas festivas. Como temos medo de conflitos continuamos a falar e poluir cada vez mais, embora poucos estão fazendo a diferença.
    Mandei o abaixo assinado sobre o Código Florestal para P. presidente, secretários em POA,veremos se virá algo, palavras....
    Abraço carinhoso e viva a felicidade sem perder a causa da vida.
    Elio

    ResponderExcluir
  3. Desde Bogotá, expresso agradecimento por tuas pertinentes reflexoes. Em todos os lugares e comunidades precisamos encontrar meios criativos e eficazes para uma relacao mais harmoniosa e menos predatória com a criacao de Deus. E também precisamos dar uma boa olhada crítica no sistema economico que prevalesce em nosso mundo ocidental. Os alemaes estao fazendo isso. É a área da diaconia e do servico que está desafiando a Igreja e a sociedade a sair do discurso e a rever seu modo de vida e suas práticas...
    Silvio

    ResponderExcluir
  4. O galo verde é um desafio: parar de falar e fazer! Estou interessado, pode contar comigo. Na comunidade de Belo Horizonte consumimos grande quantidade de copinhos de água e de cafezinho.
    Geraldo

    ResponderExcluir
  5. Às vezes me bate um desespero. Penso que “na nossa encarnação” o monte de lixo e a destruição vão continuar crescendo. Porém, quando ouço minha esposa, por exemplo, que é vice-diretora de uma escola, ela motivou e envolveu estudantes num projeto de “lixo zero”. Foi empolgante o que ocorreu. A turminha se envolveu. Não entro nos detalhes. Resumindo: hoje, volta e meia ela enxerga alunos/as enfiando o papel das balas no bolso da calça quando não estão próximos a uma lixeira. Quer dizer: há como reverter. Talvez faltem mesmo são mais e mais iniciativas. A gente precisa ser provocado para mudar de ritmo.
    Romeu

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigado pelo assunto exposto. Você fez algumas perguntas para refletir. É saudável que você inquieta a platéia e os expectadores. Eu gostaria de compartilhar com você o seguinte pensamento: IECLB e a questão ambiental.
    1. A IECLB, Sínodos, Paróquias e Comunidades são muito preocupados com sua própria vida. Houve, seguramente, muitas melhorias e mais segurança para todos os obreiros. Isto é louvável. Muitas Comunidades estruturaram o seu trabalho de tal forma que permita sustentar a vida comunitária.
    2. A preocupação é a linha teológica e conduzir as Comunidades a uma linha evangelical – carismática. Está-se trabalhando em formar pregadores leigos como se o ser cristão resultasse em ser pregador ou substituto da Pastora ou Pastor. Eu entendo que o papel do cristão é atuar em sua área profissional, em seu relacionamento. Eu me preocupo com este gueto.
    3. A sua colocação pelo documentário mostra claramente que seria prioritário auxiliar o nosso membro para se envolver na questões básicas que ameaçam o futuro da humanidade, de nossos filhos, netos e bisnetos. Eu cito o assunto que está passando em Brasília “resto a pagar”, dinheiro não usado que os políticos querem distribuir entre si. O assunto do “código florestal” ou a questão da Saúde no Brasil. Como o pessoal é quieto, tranqüilo e obediente.
    4. Um outro assunto que me preocupa é o ensino confirmatório: Qual é a razão em transmitir o assunto como algo que deve ser passado e não experimentar e vivenciar o nosso jeito de luterano?
    Desculpe que incomodei você com estas questões, mas você me convidou a refletir e fiz isso por escrito. Eu aprendi no pastorado me envolvendo e apanhando. Os colegas são muito cautelosos, aguardando para ver o que acontece. Certamente você terá muita oportunidade de colocar uma ou outra questão em debate, pois o jornal “O Caminho” ou sua rede de comunicação permite isso. Desejo a você e sua equipe as ricas bênçãos de Deus, coragem e ousadia.
    Friedrich Genthner

    ResponderExcluir
  7. Aqui na Bayerische Landeskirche (Igreja Territorial da Baviera) só vai subvencionar Igrejas e casas pastorais onde tenha o "grüner Gockel" (Galo Verde).
    Taís

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”