As pantufas verde-oliva do general



O contundente texto do jornalista Luiz Claudio Cunha no Viomundo de ontem, sobre o cinismo verborrágico e explícito de um senhor de 91 anos chamado Leônidas Pires Gonçalves, foi como tirar a casca de uma ferida antiga. Cada palavra, cada linha da triste memória de um passado dolorido e traumático faz brotar um nó no peito da gente. Você pode ler o texto de Cunha na íntegra aqui.

Eu havia visto parte da insubordinação explícita do velho comandante de torturadores na entrevista que deu ao Globo News. Vi o repórter corar de estupefação várias vezes. Vi o insensível ancião expor toda a sua torta ideologia como quem dá uma aula de bons costumes. Não resisti a tanta arrogância e autoenaltecimento de um crime condenado por qualquer tribunal humanitário do mundo civilizado. Leônidas não se rende. E não tem medo. Ele está acima da nação. Ele voltou à carga em entrevista ao O Estado de S. Paulo.

Ele não respeita nem a Comandante em Chefe das Forças Armadas que integrou. Para ele, aquela mulherzinha não passa de uma impostora. Ele deveria ser enquadrado pelo crime de desacato a autoridade, essa mesma lei com que ameaçam os cidadãos comuns com imensos cartazes nas repartições públicas, para intimidar qualquer reclamação pelo tratamento desumano que costumam dar à gente humilde desta varonil nação. Mas ele deveria ser enquadrado na lei militar de motim, porque, mesmo de pijama e pantufas, lhe cabe bater continência à Comandante em Chefe das Forças Armadas.

Eu vi Leônidas dizer que não houve exílio... que os exilados eram uns covardes fugitivos, que saíram do país porque quiseram. "Que ficassem e enfrentassem as consequências de sua rebeldia!" Que fossem machos e se dispusessem a integrar a lista dos desaparecidos e mortos nos porões obscuros de que Leônidas cinicamente desmentiu a existência. Não suportei. Mudei de canal para não ver tamanha exibição de nonsense. Também não li a entrevista no Estadão.

Talvez não tenhamos que ser submetidos aos desvarios de um velho caudilho demente. Mas fez bem a Globo News e o Estadão em escancarar o tamanho do cinismo verde num país que tenta construir uma democracia sólida, tijolo por tijolo. É bom sabermos o quanto a Comissão da Verdade é fundamental para pavimentar de boas pedras o caminho que leva à democracia. Temos que lidar com os nossos fantasmas. E Leônidas Pires Gonçalves é um fantasma insepulto. Nonagenário, o velho aprendiz de nazista tripudia da nação e faz piada sórdida da dor de famílias inteiras que só querem saber em que vil buraco deram sumiço no seu filho ou filha que ousou desafiar o status quo. Enquanto Leônidas mostra os seus dentes cariados, nós temos cada vez mais certeza que não dá para colocar uma pedra sobre tudo isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”