To be or not to be?



Este vídeo demonstra que a dúvida de Hamlet não é mera retórica de teatro. Os povos originários da Terra Brasilis estão sendo confrontados com a dúvida existencial do personagem de Shakespeare no confronto diário com a civilização. Discriminação na escola, no emprego, nas ruas, na vizinhança, nos círculos de amigos... Preconceito nos ambientes em que são identificados... Disfarçar a aparência de índio para fugir da dor da pecha... Um estigma escrito na pele, no cabelo liso, nos olhos puxados, na dificuldade com a língua portuguesa... O dedo apontado: "você é índio!"

Tudo isso contribui para a dúvida avassaladora, que dói no peito como uma flechada... Ser ou não ser? To be or not to be?

Na fuga desesperada da identidade marcada em cada detalhe, a pintura agora não é mais na pele, mas no disfarce da cor do cabelo, nas unhas com esmalte, na maquiagem para mudar o tom da pele, no corte de cabelo estilo Neymar, no brinco moderninho com jeito de surfista.

O preconceito se eterniza na maior cidade da Floresta amazônica, último território dos povos originários de uma terra outrora de domínio exclusivo dessa gente.
Por toda a história do Brasil, os indígenas sempre foram agredidos, segregados e exterminados pelo homem branco. Hoje, há uma nova forma de extermínio, lenta e silenciosa. Este vídeo produzido em Manaus (2011), dirigido por Leo Moura, é uma pequena amostra da dura realidade enfrentada pelos indígenas na metrópole da floresta.Assista e tire suas próprias conclusões.

FICHA TÉCNICA:
Direção: Leo Mura
Assistente de Direção: Marcos César
Editor: Eduardo Hübner
Diretor de Produção: Anderson Mendes
Diretor de Fotografia: Wolfgang Brög
Assistente de Cinegrafia: Dário Matos
Técnico de Som: Reldson de Paula
Microfonista: Linconl Mar
Elenco: Idelson Mouta

Comentários

  1. Caro Clovis Horst Lindner,

    Fiquei muito feliz ao receber, por meio de uma querida amiga que agora mora no Rio Grande do Sul, a informação desta postagem.
    Agradeço profundamente o seu apoio na divulgação desta obra e espero que as pessoas conscientes de todo o Brasil possam conhecer esta situação e participar do debate sobre os direitos dos primeiros brasileiros que, após mais de 5 séculos de exploração e usurpação, são destituídos até do direito de contruir sua identidade étnica em consonância com sua ascendência indígena.
    Obrigado por assistir este singelo documentário e mais ainda pelo apoio à divulgação do tema.

    Atenciosamente,

    Marcos César de Oliveira Pinheiro
    Manaus-AM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcos César,
      Estamos juntos na luta contra qualquer tipo de preconceito e violência.
      Paz e bem,
      Clovis

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”