De procuradora a procurada

A procuradora Vera Lucia de Sant'Anna Gomes se entregou, hoje, na 32ª Vara do Tribunal de Justiça, no Centro do Rio. Ela vinha sendo procurada há uma semana por agressões a uma criança de dois anos que pretendia adotar. A criança havia sido encontrada pelo Conselho Tutelar na casa da procuradora, no dia 15 de abril, com sinais de maus-tratos.

De acordo com a denúncia, a menina havia sido submetida todos os dias a violência física e moral, inclusive na presença das empregadas da casa da procuradora. Segundo o Disque Denúncia, que tem ligação direta com o Conselho Tutelar, a violência dentro de casa é o segundo tipo de crime mais relatado ao órgão.

Fotos e um laudo do Instituto Médico-Legal comprovaram que a criança era vítima de agressões desde quando passou a morar na casa de Vera Lucia. Também fazem parte da denúncia os depoimentos das ex-empregadas que presenciaram os maus-tratos, bem como uma gravação anônima com xingamentos e agressões à menina.

Enquanto Vera Lucia usava de sua prerrogativa de juíza para fazer a adoção da pequena que passou a ser objeto de seu sadismo, milhares de crianças estão à espera da adoção e centenas de casais esperam por anos a concretização do seu desejo de adotar alguém.

A procuradora Vera Lucia passou a ser procurada. Hoje, rendeu-se ao que teimava, ainda, em subverter: a sua ordem de prisão. Ela ainda acreditava que a sua arrogância de juíza a livraria das garras da lei.

Se conseguir livrar-se da prisão, o que para ela vai ser mumu, que ao menos seja punida com a reparação aos danos causados a esta indefesa criança, se é que isso é possível. A juíza Katerine Jatahy Kitsos, da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, determinou que Vera utilize 10% de seus vencimentos para custear o tratamento psicológico da menina de 2 anos que foi aterrorizada pelo seu sadismo.

Mais uma vez, ecoa em meus ouvidos uma frase do historiador uruguaio Eduardo Galeano: “Se contássemos a história da humanidade a partir da perspectiva das crianças, estaríamos diante de uma interminável história de horror”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”