O lado moleque da humanidade

A mancha de óleo na Bacia de Campos, que vazou do Campo do Frade

O petróleo é mesmo uma merda! Essa história muito mal-contada e, sobretudo, mal-resolvida do vazamento no Campo do Frade, envolvendo a Xevron, é só mais um capítulo da sórdida novela porca do óleo negro que emporcalha o planeta há mais de um século. No último milésimo de segundo da história deste planeta de 4 bilhões e 500 milhões de anos, a maior praga que jamais passou pela Terra e que somos nós conseguiu deixar pegadas que se fixam no DNA do planeta.

Além da inacreditável sequência de mentiras e de descaso da imprensa em torno do desastre que afeta toda a vida no nosso mar territorial, ainda noticiaram com um alarde de quem diz “está tudo resolvido”: “O tamanho da mancha de óleo reduziu para dois quilômetros!”

Sabe, isso tudo me lembra os moleques. Aqueles que vão chegando na sua casa e entrando nos quartos, abrindo as portas dos armários, as gavetas, as caixas, tudo. Normalmente, movidos por sua insaciável e incontrolável curiosidade, nada respeitam e quase sempre deixam alguma marca de sua passagem oculta pelos ambientes que você já havia fechado preventivamente. O resultado inevitável é descobrir depois, quando o moleque já se foi, que num ambiente que você considerava à prova de moleques, ele quebrou um vaso, um eletrônico danificado ou até algo que sumiu.

Nesse sentido, a humanidade está agindo em relação à natureza como o pior dos moleques. E o que a move, definitivamente, não é a curiosidade. É a cobiça, a ganância, a ambição.

Olha, o Criador deve ter tido uma razão muito plausível para esconder o petróleo em lugares tão inatingíveis, profundos, ocultos. Ele fechou a porta, isolando algo da natureza que ele sabia ser perigoso, precioso e que deveria permanecer intocado. Mas a humanidade moleque (que aliás chegou por aqui muuuuito tempo depois do petróleo!) achou que podia botar a mão, fazer uso, descobrir para quê serve e, na maior caradura, pegar sem pedir permissão. Acabou derramando! Deixou manchas negras, espessas, indigestas, assassinas por todo o planeta. No caso do Campo do Frade, forçou até quebrar a fechadura que havia sido colocada.

Olhando desse ponto de vista, o Pré-sal não é uma bênção para o Brasil. O Pré-sal é uma grande maldição, isso sim. Porque os moleques ainda vão fazer muita lambança por trás das portas que deveriam ficar fechadas. Senão, elas não teriam sido colocadas em lugar tão escondido. O petróleo é uma merda. Mesmo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”