O circo e o pobre palhaço

A mega-encenação em torno da transferência do bandido (que a mídia chama de “empresário”) Carlinhos Cachoeira ontem foi patética e dispendiosa. Custou uma fortuna todo aquele aparato policial para trazer o homem da penitenciária de Brasília até o Congresso para ser interrogado pela CPI.

O que impressiona realmente, entretanto, é ver mais uma vez o quanto um bando de seres absolutamente incapazes consegue milhares de votos para sentar-se em cadeiras de deputados. Eu sabia que ele não iria abrir a boca. Você também? Imagino que sim! Francamente, acho que até o meu neto de sete anos saberia disso, se lhe dissessem que “ele não precisa dizer nada, se não quiser”.

E Carlinhos fez isso com uma solenidade de deboche que chega a ser um tapa na cara da nação. “Não vou dizer nada nesta CPI!”

O que fica difícil de entender de verdade é todo o circo que foi montado ontem. Francamente. Acho que queriam dar a Cachoeira o privilégio de um passeio com direito a batedores e proteção policial digna de um presidente. Senão, que outro objetivo teria tudo aquilo?

Agora, vejam abaixo o que se faz quando o “suspeito” não tem grana, é negro, não tem amigos, nem família que o defenda. Vejam e pasmem...



Isso é ridículo. Alguém tem que tomar providência contra a Band e contra essa menina boçal, loira falsa metida a jornalista, que se considera repórter... Isso é um atentado contra os direitos básicos da pessoa humana. É bullying midiático repulsivo. Transformaram o menino num palhaço por conta da sua ignorância de origem social. Esse é o tipo de imprensa que se faz em nossa TV sensacionalista. Revoltante.

Comentários

  1. Ó realmente , forçar a barra em uma entrevista é uma tremenda violação aos direitos humanos , muito maior do que estuprar uma pessoa.Não estou defendendo a repórter , porém , se eu te roubar , perco meu direito de exigir a tua honestidade perante a mim , assim como se eu violar os direitos humanos de uma pessoa , eu perco essa condição , ou pelo menos deveria ser assim , como que alguém que viola TODOS os direitos humanos cabíveis , pode permanecer com os seus intactos(?!) , isso é total e absolutamente ridículo.

    ResponderExcluir
  2. Só para complementar o que havia dito acima , nós vivemos em uma sociedade , por isso estamos sujeitos as regras de convívio , violar essas regras é(ou deveria!) ser passível de punição , e quando essas regras são violadas , eu simplismente quebrei esse círculo , e portanto , me coloquei fora dele.Eu não desacredito em direitos humanos , só acho que da forma como estão brigando por eles , é ridículo , pois sou contra a defesa de direitos humanos que busca reduzir a punição de alguém que destrói famílias , estupra , mata , quando não faz coisa pior , e ainda assim , é visto como uma pessoa dotada de "direitos humanos" , sendo que o próprio , está pouco se lixando para isso.

    Daniel.

    ResponderExcluir
  3. Daniel, o preso, SUSPEITO(!) de ter estuprado, deve ser julgado por um juiz, num TRIBUNAL legalmente constituído. Isso é direito humano para ele e para qualquer cidadão. O que fez a repórter? Juntou todos os seus preconceitos e julgou o SUSPEITO diante das câmeras, condenando-o como se fosse uma juíza. Numa sociedade assim, amanhã confundem você com alguém que cometeu um crime e o julgam diante das câmeras, sem direito a defesa. Você acharia justo? Pois é...

    ResponderExcluir
  4. Como eu havia dito , eu não estou defendendo a repórter , pois é claramente fraquíssima , estou tentando fazer mais uma visão geral que tenho sobre o assunto , e a situação de comparação entre "eu" ser confundido com um criminoso é totalmente impossível , visto que o sujeito do vídeo , é um criminoso , pode não ser um estuprador , evidente , mas é um criminoso , diferente de mim(embora tu não me conheças , óbviamente!)tornando-se algo absurdo eu ser colocado em uma situação dessas.

    Daniel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Absurdos acontecem, Daniel, ainda mais em se tratando de justiça no Brasil...

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”