Limonada da solidariedade


Desde adolescente sou leitor de HQ, as famosas histórias em quadrinhos. Uma cena recorrente em histórias traduzidas ou nacionais é a de crianças ganhando um troquinho com uma barraca de venda de limonada.

Huguinho, Zezinho e Luizinho faziam isso volta e meia, em suas histórias. A Luluzinha, o Cebolinha e muitos outros foram “empreendedores” ousados e montaram uma caixinha com um velho guarda-sol de praia do lado e uma jarra de limonada geladinha, com um respeitável anúncio do produto à venda. Genial! E sempre ganhavam um troco legal para comprar um presente para o Pato Donald, ou outro objetivo, quase sempre para ajudar ou presentear alguém. Genial, de novo.


Mais genial ainda, entretanto, é a notícia que vi hoje no G1. Pois não é que essa história típica de HQs saltou dos gibis para a vida real? Mais impressionante é que o enredo, o altruísmo e o sucesso dos vendedores de limonada dos gibis também se tornou real.

O menino americano Drew Cox, de 6 anos, usou uma barraca de limonada para ajudar a arrecadar dinheiro para o tratamento de seu pai, Randy, que sofre de um raro tipo de câncer. O empreendedorismo de Drew aconteceu em Gladewater-Texas.

A sua barraquinha, que começou como micro-empresa, foi ficando famosa e muita gente começou a ajudá-lo. No sábado passado filas de carros se formaram junto à barraca para comprar limonada para ajudar Randy. No final do dia, o jovem empresário da limonada havia juntado mais de 10 mil dólares. Fantástico! Que lição deste menino, que o fez por puro amor ao pai.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”