Pinheirinho: a truculência em vídeo



Esse vídeo foi feito pela equipe do Causa Operária TV dentro do bairro do Pinheirinho em São José dos Campos, durante a desocupação violenta pela Polícia Militar. Para defender o terreno do mega-especulador Naji Nahas...

Informações dão conta de que é um mistério como esta propriedade foi parar em nome de Nahas. Essa área era de um casal de alemães que morreu sem deixar herdeiros e, portanto, agora era propriedade do Estado. Quem, quando, onde, por que, com que vantagens passou essa propriedade para Nahas?

A ação truculenta da polícia exterminou 1.700 lares do dia para a noite, para passar o trator e entregar o terreno para Naji Nahas. Segundo os moradores que ocupavam o terreno, ele estava abandonado desde o assassinato dos donos, um casal de alemães sem herdeiros.

A prefeitura de São José dos Campos tinha como política de incentivo ao desenvolvimento doar terrenos para indústrias se implantarem na cidade. Mas, se os termos de cessão do terreno pela prefeitura não foram cumpridos (a instalação de uma indústria), porque a prefeitura nunca o retomou?

Mais perguntas sem respostas: a empresa Selecta S/A, de Naji Nahas, ganhou o terreno em governos passados ou o proprietário anterior à Selecta ganhou esse terreno de graça da prefeitura e repassou a Nahas? Em todos os casos, sem essas explicações, o ato de reintegração de posse fica com cara de coisa da máfia...

Uma última dúvida, que eu tenho aqui comigo. Aqui em Blumenau estão levantando, com razão, a maior polêmica porque algumas das famílias que receberam apartamentos do Minha Casa porque nos deslizamentos perderam a casa e, agora, alugaram ou venderam a propriedade.

O compromisso deles era pagar o financiamento privilegiado do apartamento primeiro. Só depois ele se torna "vendável" ou "alugável". Se eles não podem negociar a propriedade por causa de cláusulas contratuais, por que Nahas pode ser o dono de um terreno que tinha cláusulas claras de somente lhe pertencer se na área houvesse uma indústria? Por que ele pode especular com uma área assim, se os benefiados de Blumenau não o podem com os seus apartamentos?

A propósito, esse terreno tem interesse para Nahas somente porque a Selecta tem falência decretada e, com o valor do terreno, grande parte da dívida pode ser quitada. Ou seja, o terreno (que por cláusula clara deveria ser do município) será usado para pagar uma dívida de Nahas. É muita safadeza. Enquanto isso, 1700 famílias estão na rua da amargura... Isso que é política social de respeito, sô!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”