O sonho de um mundo sem fome


Um mundo no qual toda criança se sacie; no qual cada uma delas tenha o que comer todos os dias e o suficiente para levar uma vida sadia e ativa. Um mundo no qual a incomensurável abundância do nosso planeta alimente todas as pessoas, no qual o solo, as plantas e os animais não sejam usados somente como fonte de lucro, mas possam ser preservados e protegidos. Este é o sonho de um mundo sem fome. Será utópico demais? Um sonho inatingível?

Uma simples olhada para a atualidade, em que crianças famintas são vítimas diárias e implacáveis da ganância de quem tem, nos dá prova inconteste de que esse sonho é como um muro intransponível. Vivemos num mundo em que a cada segundo uma indefesa criatura sucumbe à falta de qualquer coisa para colocar na boca e morre em conseqüência de doenças provocadas pela subnutrição.

Como é possível que a humanidade tolere que abundância e fome andem lado a lado? É uma convivência inaceitável, intolerável, incompreensível. Ela me faz desesperar, sucumbir, entregar os pontos.

Entretanto, enquanto houver neste mundo miserável pessoas que não aceitam a fome como destino, que se empenham até a própria fraqueza, por falta de tempo para comer para, erradicar essa chaga do planeta, há esperança. E eu posso continuar acreditando nas pessoas. Porque essas pessoas têm histórias de sucesso para relatar. Com sua ajuda, crianças não sucumbem mais às doenças da subnutrição, nem morrem de fome. Apesar de tanta indiferença, de tanta vida sem sentido e construída sobre o acúmulo, há muita gente que acredita que outro mundo é possível e se empenha por isso. Veste essa camiseta como se fosse sua e não se rende, nem mesmo diante das adversidades.

E é esse exército de gente aplicada e cheia de utopia que me faz ter uma visão. Ela é bela e cheia de confiança extrema: um mundo sem fome é possível. Apesar dos políticos, dos economistas, dos estudiosos, dos pesquisadores da genética e dos transgênicos. Um mundo sem fome é possível, com gestos simples e burlescos, como repartir, ajudar, dar de si, compartilhar, oferecer, estender a mão, acolher...

Junte-se a mim nesse sonho e vamos nos unir a outros. Vamos sonhar juntos. Um sonho que se sonha junto, deixa de ser um simples sonho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”