A melhor invenção do mundo!


Em 29 de agosto de 1885 o inventor alemão Gottlieb Daimler patenteia um veículo motorizado de duas rodas, que hoje é amplamente aceito como o precursor das motocicletas. Pelo menos, era a primeira com cara de moto, em comparação com as geringonças anteriores. A criação de Daimler era uma construção tosca de madeira, com duas rodinhas laterais de apoio, para evitar que o veículo tombasse. Era um veículo leve, com um motor alimentado a gasolina, que atingia a velocidade de oito quilômetros por hora. Sua produção em massa só começou em 1897, pela Hildebrandt u. Wolfmüller, de Munique, que patenteou a expressão “motorrad” (motocicleta).

A partir de então, fábricas para produzir o novo meio de transporte pipocavam por todos os lados, na Alemanha. Mas seu principal negócio era a exportação, pois os alemães faziam piada, chamando o veículo de fedorento e que dava estalos, que podia levar seu usuário a cair duro, intoxicado, se abrisse a boca ao andar muito devagar.

Ao contrário do país que inventou a moto, os americanos e os ingleses encaravam tudo isso de modo bem diferente. Durante a 1ª Guerra Mundial, o exército britânico usou em torno de 50 mil motos das marcas Douglas e Triumph, enquanto os EUA equiparam suas tropas com 10 mil Harley Davidson e Indian. Enquanto isso, o exército alemão tinha apenas 5 mil motos. O cenário só mudou depois daquela guerra, quando a BMW criou a R32, um modelo com 8,5 cavalos-vapor, capaz de atingir 92 km/h e que já apresentei neste blog.

Os anos de ouro para as motocicletas foram após a 2ª Guerra Mundial e o sucesso das motos fez florescer a indústria alemã. DKW, Adler, Tornax, Horex und Zündap, Maiko e Kreidler lançaram modelos no mercado, juntando-se às importadas Harley Davidson e Indian (EUA), Norton e Triumph (Inglaterra), e às esportivas Moto Guzzi, Gilera e Benelli (Itália).

Mas o cenário mudou definitivamente quando os japoneses entraram no setor, mudando a imagem do produto e a estratégia de vendas, a começar por Soishiro Honda, que apresentava suas motos aos consumidores americanos como as mais bonitas para hobby e aventuras, vendendo a sensação de liberdade sobre duas rodas. “You meet the nicest people on a Honda” (Você encontra as pessoas mais legais numa Honda), era o slogan dos seus anúncios.

Nos anos 1970 filmes como Easy Rider - Sem destino contribuíram ainda mais para fixar a imagem cult da motocicleta, tornando-a sinônimo de ruptura, rebeldia e prazer. Hoje a motocicleta é um hobby de muitos adeptos. Os fãs do invento de Daimler têm à disposição os mais variados modelos para todo tipo de terreno e uso. O próprio Gottlieb Daimler havia previsto: “Será algo indescritível, gostoso, ter um veículo motorizado que desenvolva uma velocidade compatível e apta para transportar ao menos uma pessoa e que possa percorrer as estradas livremente”. Acertou em cheio. Andar de moto é uma delícia!
(Com informações de DW-World)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”