O Papa é denunciado em Haia


A cristandade está perdendo sua força missionária. Há diversos motivos que podem ser arrolados como causadores. Entre eles, a falta de vocações, a crescente secularização e o descrédito em que foi lançada, graças a posições turronas, irredutíveis e ultrapassadas com relação a diversos temas da atualidade.

Entretanto, no meu entendimento, a cristandade tem cometido seus mais graves erros na falta de coerência, no testemunho fraco e minado dos mesmos pecados de que acusa a sociedade e, acima de tudo no mau testemunho. A lista de exemplos de comportamentos inadequados, desvios de conduta e até de mau-caratismo abundam em toda a cristandade e em todas as igrejas em que se divide. Aliás, a própria divisão da cristandade é um dos piores testemunhos, levantando suspeitas e desconfianças sobre a credibilidade do seu testemunho.

Veja as milhares de vítimas dos sucessivos escândalos de pedofilia na igreja católica, por exemplo. Depois de muitas acusações, gritos desesperados e até processos com pedidos de indenizações que faliram diversas dioceses pelo mundo, finalmente Roma se deu por vencida. O Papa Bento XVI expressou sua vergonha e pediu desculpas às vítimas e à sociedade, prometendo tolerância zero contra os pedófilos. Ele também pediu aos bispos de todo o mundo para que cooperem plenamente com os tribunais criminais, nos casos que estão em julgamento.

Muitos não acreditam nessa súbita “conversão” do Papa. A história até aqui está repleta de atos de ocultação, transferências de despiste e abafa-abafa do “diz que, diz que”. Por isso, não acreditam mais. E todo esse mau testemunho acabou nos tribunais, agora em Haia. Vítimas de pedofilia nos EUA denunciaram o Papa por crimes contra a humanidade e acusam o chefe da Igreja de “ter tolerado crimes sexuais contra crianças”.

Uma associação americana de vítimas de padres pedófilos anunciou nesta terça-feira 13 de setembro ter apresentado uma queixa ante o Tribunal Penal Internacional (TPI) contra o Papa Bento XVI e outros dirigentes da Igreja católica por crimes contra a humanidade. Os dirigentes da associação SNAP, orientados pelos advogados da ONG americana “Centro para Direitos Constitucionais”, entraram com uma ação para que o Papa seja julgado por “responsabilidade direta e superior por crimes contra a humanidade por estupro e outras violências sexuais cometidas em todo o mundo”, que teria “tolerado e ocultado sistematicamente”.

Segundo a acusação, que enviou 10 mil páginas de documentação de casos de pedofilia ao tribunal, os bispos e o próprio Vaticano rejeitaram ou ignoraram muitas das queixas das vítimas de padres pedófilos. O escândalo desacreditou a Igreja em vários países na Europa.

O pior capítulo dessa história é que a Igreja – e não somente a católica –, que devia ser o reduto de máxima confiança onde tais vítimas pudessem abrigar-se da violência a que são ou foram submetidas, tem sistematicamente participado, até com lascívia, dos atos de violência, assédio e desrespeito a crianças. Esses pequenos e inocentes aprendizes lhes são confiados para a catequese, para ensinar a trilhar os passos da fé e até para seguir a sublime vocação sacerdotal. Saem de suas mãos acuados, violentados e traumatizados. Enquanto isso, mesmo que seus clamores tenham chegado às pencas ao Vaticano, lá se tem feito ouvidos moucos.

O problema é que – e nem Roma contava com isso – tudo aparece à luz do dia uma hora dessas. Como a Igreja prefere esconder-se na Idade Média, vivendo sob a redoma que criou para si, nem percebeu que vivemos na era do Big Brother, onde tudo é visto, registrado e gravado e, mais dia menos dia, cai nas redes sociais, na conversa do povo, nas barras dos tribunais. Um dia, por certo, tinha que acabar também em Haia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ócio e o negócio

O boato do filme Corpus Christi

Origem do termo “América Latina”